Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
6

“Mana, vais ficar no meu coração”

Há 42 mortos confirmados, 32 só no Funchal. Ontem foi a enterrar casal que deixou filha de nove anos órfã.
27 de Fevereiro de 2010 às 00:30
Joel e Rosa Ferreira foram ontem sepultados no Funchal
Joel e Rosa Ferreira foram ontem sepultados no Funchal FOTO: Vítor Mota

Agarrados uns aos outros, de lágrimas nos olhos, os familiares de Joel e de Rosa Ferreira, 37 e 34 anos, despediram-se ontem pela última vez do casal que foi levado pela enxurrada na estrada Luso-brasileira, no Funchal, no passado sábado. 'Amo-te muito mana, vais ficar sempre no meu coração', gritou o irmão de Rosa, no derradeiro olhar à urna, antes de ser sufocado pelo choro e pela dor. O casal deixa órfã uma menina de nove anos.

Durante a missa de corpo presente, na Igreja do Monte, o padre adivinhou o que passava na cabeça das mais de trezentas pessoas que assistiam. 'Porquê? Porquê a morte em vez da vida? Porquê nesta idade?' Perguntas que tiveram como resposta apenas: 'Eles vão continuar a brilhar no nosso coração'.

O casal perdeu a vida no passado sábado quando ia buscar a filha de nove anos a casa dos avós. Na noite anterior, a menina Cassandra fizera questão de dormir lá. Seguiam na estrada quando foram apanhados de surpresa pela enxurrada e desapareceram. Uma tia deslocou-se, desesperada, várias vezes à morgue improvisada por baixo da pista do aeroporto à procura dos dois. 'Está sempre agarrada à fotografia deles e a dar-lhes beijinhos. Era muita apegada aos pais. E agora que faço?', questionava a mulher.

Joel e Rosa foram duas das 32 vítimas mortais do temporal só no Funchal. O número já ascende a 42 e há ainda oito desaparecidos.

APONTAMENTOS

CASINO ESTORIL APOIA

O Casino Estoril organiza a 10 de Março um espectáculo para angariar donativos para a Madeira, que tem como embaixadores Ruy de Carvalho e a Duquesa de Bragança.

CAVACO PATROCINA GALA

A Gala ‘Uma Flor para a Madeira’, iniciativa da SIC, decorre amanhã à noite no Coliseu para apoiar as vítimas, tem o Alto Patrocínio do Presidente da República.

CONSTA SOLIDÁRIA

O BPI abriu uma conta solidária com um saldo inicial de 200 mil euros (NIB 0010 0000 4444444 0001 76).

MISSAS EM PARIS E FUNCHAL

A catedral de Notre Dame, em Paris (França), celebra amanhã, às 18h30, uma missa pelas vítimas da Madeira. O bispo do Funchal celebra, na Sé, às 17h00.

PRÉMIO POR RECLAMAR

O primeiro prémio do Loto 2, que foi registado no Funchal na semana passada, ainda não foi reclamado, confirmou fonte da Santa Casa da Misericórdia.

ROSTOS E RELATOS DA TRAGÉDIA

Depoimentos de dor, tristeza e pânico, mas também de solidariedade, continuam a marcar os dias na Ilha da Madeira.

'VIEMOS PORQUE A MADEIRA PRECISA'

O dilúvio não assustou Michael e Heather Bounds, de 62 anos. Foi, aliás, devido à tragédia que este casal inglês fez questão de viajar para a ilha: ' Achamos que a Madeira precisava de nós. O turismo é essencial para eles e nós gostamos disto'.

'ESTÁ TUDO PRONTO PARA ABRIR PORTAS'

Na rua Fernão de Ornelas, as funcionárias de uma loja de bijutaria não têm poupado esforços para limpar o estabelecimento. 'Está tudo pronto para voltar a abrir as portas', diziam ontem enquanto limpavam e davam brilho aos vidros.

'RAPAZES COMEÇAM A FICAR CANSADOS'

'Nós fazemos qualquer coisa, desde que nos peçam. A câmara é que nos orienta no terreno. Mas já noto que os rapazes começam a ficar cansados', revela Odília Ribeiro, 32 anos, chefe dos Escuteiros, que estão a trabalhar como voluntários.

'O PREJUÍZO RONDA OS 20 MIL EUROS'

O dono da estalagem Encumeada, José Duarte, está preocupado com o negócio: 'Perdemos eventos nas nossas salas de refeições e reuniões, para 1200 clientes, e já foi cancelado um evento, para 600 pessoas. O prejuízo ronda os vinte mil euros'.

'ESTALAGEM SÓ TEM OITO ESTRANGEIROS'

Joanleine Valera, recepcionista da estalagem Encumeada, numa das zonas altas da Madeira, diz que o estabelecimento está a perder três mil euros por dia: 'Hóspedes de 13 quartos deixaram a estalagem. Estão apenas oito estrangeiros'.

'CHORAR OS MORTOS E CONTINUAR'

'É preciso chorar os mortos e continuar'. As palavras são de António, padrasto de Susana Micaela, jovem que estava a dormir quando foi levada pela enxurrada. 'Ninguém resiste a este mar de lama', lamenta, defendendo a demolição das casas.

ALERTA DE MAU TEMPO FEZ DESVIAR NAVIOS E AVIÕES

Uma semana após as fortes chuvas que provocaram a tragédia na Madeira, o arquipélago está novamente em alerta devido à passagem de um ciclone a Oeste da ilha. As más condições meteorológicas já obrigaram à alteração da rota de dois aviões, desviados para o aeroporto de Porto Santo, e ao cancelamento de um voo da Easyjet. Desde o temporal, seis navios já cancelaram a sua passagem pelo porto do Funchal.

'FAZ-ME MUITA FALTA'

'Ia ajudar os vizinhos a consertar o muro da estrada para proteger da água as casas e nunca mais voltou', contou ao CM, em desespero, a mãe de Gregório Canhas, que está desaparecido há sete dias em Curral das Freiras, mas não faz parte da lista oficial do Governo Regional da Madeira (que contabiliza oito desaparecidos). 'É uma aflição muito grande, ele faz-me muita falta', diz a chorar Teresa Canhas.

Só na passada quarta-feira, quatro dias depois do temporal que assolou a Madeira, é que as equipas de resgate chegaram pela primeira vez ao Curral das Freiras, onde uma mulher morreu, para procurar o homem de 32 anos. 'Disseram que havia muitos odores no sítio onde desapareceu e foram-se embora, mas assim que parar de chover vamos nós com a população à procura dele', garante o irmão, Jerónimo.

A mãe, Teresa, de 63 anos, está muito abalada e teve de ser medicada. 'Ando a tomar calmantes que o psicólogo me receitou e para dormir tenho de tomar um mais forte', conta. 'Ele era o mais novo de quatro irmãos, quem é que vai esquecer a cara do meu filho do coração?', diz a mulher, já sem esperanças.

 

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)