Barra Cofina

Correio da Manhã

Exclusivos
8

Morreu o 'Mata Sete', o serial killer responsável pelo massacre do "Osso da Baleia"

Homicida vivia na Córsega depois de ter saído da cadeia, onde cumpriu pena por ter assassinado cinco jovens, a mulher e uma filha.
Isabel Jordão 5 de Janeiro de 2019 às 01:30
A carregar o vídeo ...
A reconstituição dos crimes do 'mata sete', o serial killer que tinha "sede de matar"
O bancário da Marinha Grande que ficou conhecido por Mata Sete, por ter assassinado sete pessoas à facada, a tiro e à paulada, em março de 1987, foi encontrado morto em casa, na ilha francesa de Córsega, onde vivia há 16 anos, após ter cumprido 14 de pena. Vítor Jorge tinha 69 anos e vai ficar sepultado na Córsega, mas o funeral só deverá realizar-se na próxima semana.

Vítor Jorge, recorde-se, matou cinco jovens na praia do Osso da Baleia, Pombal, numa espiral de violência que prosseguiu horas depois, quando assassinou a mulher e a filha mais velha com múltiplas facadas, num pinhal a 2,5 km de casa, na Amieira, Marinha Grande.

As circunstâncias da morte não são ainda conhecidas dos familiares e dos amigos de infância que residem na Calvaria, Porto de Mós, terra natal do homicida. No entanto, a prima Isabel Jorge, que o acolheu em França quando saiu da prisão, disse esta sexta-feira ao CM que Vítor Jorge morreu de doença.

"Ele andava doente há muito tempo, tinha um cancro no estômago e sofria do coração", contou Isabel Jorge, adiantando que a morte ocorreu no sábado passado e ela teve conhecimento na segunda-feira. Explicou que o homicida estava em casa, que ainda chamaram um médico para o assistir, mas acabou por morrer.

A marcação do funeral está dependente de "procedimentos burocráticos: os papéis precisam da assinatura dos filhos e isso leva tempo", adiantou Isabel Jorge. O filho vive em Inglaterra e a filha na Marinha Grande.

A explicação de Isabel Jorge entra em contradição com informações recolhidas pelo CM junto de amigos atuais de Vítor Jorge, que garantem que se suicidou com medicamentos e foi encontrado morto em casa, no domingo, pela namorada.

O amigo Jean Michel Grimaldi, que diz ter "grande estima e consideração" por Vítor Jorge, recorreu às redes sociais para "recordar os bons tempos" que passaram juntos, sobretudo nos últimos dez anos, expressando a sua "tristeza pelo súbito desaparecimento".

"Sete vidas ceifadas de forma irracional"
Vítor Jorge foi condenado a 20 anos de prisão - a pena máxima na altura - e saiu em liberdade condicional, em outubro de 2001. Durante a reclusão, primeiro em Leiria e depois em Coimbra, enviou uma carta a uma amiga de infância, a relatar os crimes e a descrever a sua vida desde criança.

Diz que começou "a sofrer aos 7 anos", quando foi "retirado do convívio dos avós" e levado pela mãe para Lisboa. Da juventude, recorda o dia em que vendeu uma arma de caça "por sentir repulsa pela forma como tirava a vida aos animais e aves. Não podia ver sangue e nem a uma formiga era capaz de fazer mal".

Relata com detalhe as "crises de profunda depressão, aliadas a longos períodos de uma vitalidade inesgotável" anteriores aos crimes. Refere-se ao diário - que enviou para o Correio da Manhã após os homicídios - como o "confidente, o ‘amigo’ que o ouvia, mas que ficava mudo".

E a "sua mudez atraía-o para o fosso". Várias vezes se questiona sobre o "fatídico 1 de março de 1987, em que a corda da vida se deteriorou, traduzido em sete vidas ceifadas de forma absolutamente irracional".

Cinco corpos recolhidos no Osso da Baleia
Os cinco jovens, entre os 17 e os 24 anos, foram as primeiras vítimas de Vítor Jorge. Foram mortos a tiro de caçadeira e à paulada.

Eram amigos e tinham estado na festa de anos de uma das raparigas, na Ilha, Pombal, de onde o grupo seguiu para a praia do Osso da Baleia, à boleia de Vítor Jorge, que seguia ao volante da sua Renault 4 L branca. Vítor Jorge trabalhava como fotógrafo, sobretudo de festas, e tinha sido contratado pelos jovens.

Manteve a paixão pela fotografia quando se fixou em 2001 na Córsega
Quando se fixou na ilha francesa Córsega, Vítor Jorge manteve a paixão pela fotografia, apesar de ter deixado de ser contratado para fotografar casamentos, batizados ou outras festas, como acontecia em Portugal.

No seu perfil de Facebook foi publicando dezenas de imagens de pessoas que fotografava, sem nunca usar uma que mostrasse o próprio rosto. Recebia 800 € de reforma e frequentou uma escola à noite para aprender a falar e a escrever francês. Completou o 5º ano na cadeia.

PORMENORES
Poupou dois filhos
Vítor Jorge poupou da morte à filha mais nova, que vive na Marinha Grande, e o filho, agora emigrado em Inglaterra. Na carta escrita na prisão, afirma sentir um "grande amor" por eles. "Nunca será de mais enaltecer os filhos maravilhosos que tenho. Visitam-me quando entendemos que é necessário" .

Quer ser amado
Em várias passagens da carta escrita a partir da prisão, Vítor Jorge reconhece o sofrimento que causou. "Também me senti fortemente abalado, emocional, psicológica e humanamente. Dificilmente conseguia demonstrar o meu amor, mas esta sexta-feira, mais do que nunca sinto necessidade de amar e de ser amado."

Tentativas de suicídio
Vítor Jorge tentou o suicídio várias vezes ao longo da vida: três vezes antes dos crimes de 1987 e pelo menos 13 vezes após ter emigrado para Córsega – com recurso a medicamentos e gás.

Visitas à família no Verão
Vítor Jorge voltava a Portugal sempre em agosto e ficava alojado em casas de familiares e amigos na Calvaria. Todos o recebiam o melhor que podiam, com medo da sua reação.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)