Barra Cofina

Correio da Manhã

Famosos
8

Bárbara volta a julgamento em maio

Tribunal rejeitou pedido de afastamento de juiza polémica.
21 de Abril de 2016 às 17:09
Vidas
Juíza criticou demora de Bárbara Guimarães em apresentar queixa por violência doméstica contra o ex-marido, Manuel Maria Carrilho
Juíza criticou demora de Bárbara Guimarães em apresentar queixa por violência doméstica contra o ex-marido, Manuel Maria Carrilho FOTO: Sérgio Lemos

O julgamento que opõe a apresentadora Bárbara Guimarães ao ex-marido e antigo ministro da Cultura António Maria Carrilho vai ser retomado a 13 de maio com a mesma juiza, disse esta quinta-feira à agência Lusa um dos advogados.

 

O julgamento é retomado depois de o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) ter rejeitado, na semana passada, por maioria, o pedido de afastamento da juíza Joana Ferrer Andrade.

 

A decisão da Relação de Lisboa de manter Joana Ferrer Andrade como juíza do caso relacionado com alegada violência doméstica foi tomada por maioria (2-1), tendo havido um voto de vencido.

 

Os juízes desembargadores do TRL julgaram improcedente os pedidos de afastamento da juíza apresentados por Bárbara Guimarães e pelo Ministério Público.

 

Em causa estavam as considerações feitas pela magistrada na primeira sessão de julgamento, em fevereiro passado, quando criticou em audiência a demora de Bárbara Guimarães em apresentar queixa contra o ex-ministro.

 

Na sequência disso, tanto o Ministério Público como Bárbara Guimarães pediram o afastamento da juíza, solicitando que fosse outra magistrada a julgar o caso relacionado com violência doméstica.

 

Manuel Maria Carrilho começou a ser julgado a 12 de fevereiro, em Lisboa, por alegada violência doméstica contra a sua ex-mulher.

 

Carilho e Bárbara separaram-se em 2013, após um casamento de mais de dez anos.

 

Segundo a acusação, na noite de 23 de agosto de 2013, Carrilho terá pegado numa faca de cozinha, apontou-a a Bárbara Guimarães, que estava com a filha ao colo, e ameaçou matá-la, a si e aos filhos, assim como a si mesmo.

 

A acusação sustenta que, anteriormente, já teriam existido agressões, como socos e pontapés, mas a apresentadora não apresentou queixa "por vergonha".

 

Carrilho também se queixou de ter sido vítima de violência doméstica, por parte de Bárbara Guimarães, que chegou a ser constituída arguida, mas o caso terminou no TRL, que decidiu não levar a julgamento a apresentadora da SIC.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)