Barra Cofina

Correio da Manhã

Famosos
5

"Fui alvo de bullying": Judite Sousa admite que regresso à TVI "não era desejado por alguns setores"

Jornalista acusa empresa de não a proteger no regresso à estação de Queluz de Baixo para integrar projeto da CNN Portugal.
Correio da Manhã 5 de Agosto de 2022 às 12:53
A carregar o vídeo ...
"Fui alvo de bullying": Judite Sousa admite que regresso à TVI "não era desejado por alguns setores"
Judite Sousa garantiu que foi vítima de bullying no regresso à Media Capital e acusou a empresa de não a proteger quando decidiu voltar para integrar o projeto CNN Portugal.

Numa entrevista à revista TV7 Dias, a jornalista admitiu que o seu regresso ao grupo, detentor da TVI e CNN Portugal, "não era desejado por alguns sectores da empresa, dadas as circunstâncias em que saíra há três anos".

"Contrariamente àquilo que a empresa disse no comunicado [sobre a saída], a empresa não me protegeu. Tinha a obrigação de proteger-me, até pelo meu passado e pelas minhas circunstâncias pessoais", atirou.

A pivot, que abandonou a CNN Portugal depois de ter denunciado o contrato que a ligava ao grupo, admitiu à revista que não saiu por "razões de saúde", mas sim porque "não estava feliz", justificando: "Tinham acontecido vários eventos que me causaram sofrimento psicológico", admitiu.

Numa intervenção no início da semana, Nuno Santos, Diretor de Informação da TVI/CNN revelou que teve conhecimento da saída da jornalista do grupo de comunicação social através das redes sociais. Sobre as revelações feitas pelo Diretor, Judite Sousa admite compreender "as suas circunstâncias como diretor de Informação" e faz questão de agradecer a oportunidade. "Percebi claramente o teor da intervenção que ele teve de fazer em antena", frisou Judite Sousa, que estranhou o facto do advogado da Media Capital não ter informado a administração sobre as informações veiculados pelo seu próprio advogado aquando da vontade de rescindir o contrato.

Sobre o contrato em si e as acusações que davam conta de que a jornalista esteve uns meses sem receber porque "não enviou fatura", Judite Sousa sublinhou: "Não assinei o contrato de trabalho durante cinco meses, mas a empresa também não o assinou durante cinco meses. A empresa poderia ter assinado...".

Quando foi enviada para fazer a cobertura da guerra na Ucrânia, Judite Sousa recebeu um telefonema da Diretora de Recursos Humanos a confirmar se estava destacada no país. Foi aqui que a repórter soube que estava na guerra sem seguro de saúde e que "não sabia de nada". A empresa fez de seguida um contrato de trabalho a 30 dias para garantir uma proteção para a jornalista no terreno. Apesar do contrato ter chegado às mãos do advogado, o documento nunca foi assinado pela jornalista que, admite, foi para a Ucrânia sem dinheiro.

Sobre o regresso à estação de Queluz de Baixo, a jornalista não demonstrou arrependimento. "Na vida todos temos o nosso calvário, já passei por muitos", admitiu, acrescentando: "A vida tem sido muito cruel comigo! Não fiz mal a ninguém! Não matei nem roubei! Os portugueses gostam de mim".
Judite Sousa Media Capital TVI/CNN Ucrânia media televisão jornalista
Ver comentários
}