Barra Cofina

Correio da Manhã

Insólitos
7

Fica entre a vida e a morte após ser "esmagada" por mulher obesa em escorrega

Vítima, que estava de férias na Turquia, ficou com órgãos esmagados e cinco costelas partidas.
24 de Janeiro de 2019 às 16:55
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Fica entre a vida e a morte após ter sido 'esmagada' por mulher obesa em tobogã
Jemma Joslyn, uma mulher britânica de 32 anos, está a processar a empresa de turismo Thomas Cook depois de ter sido "quase esmagada até à morte" por uma mulher obesa num escorrega aquático durante as suas férias num resort de luxo, na Turquia.

A mulher, mãe de dois filhos, estava naquele país há apenas 14 horas quando o incidente que sofreu lhe provocou várias lesões e hemorragias internas no fígado, no rim e no pulmão direito, para além de cinco costelas partidas.

Aterrorizada, Jemma - que só tem um rim desde que doou o outro para salvar a vida da mãe - revela que acredita que podia ter morrido, não fossem os seus amigos repararem na situação e terem sido breves a tentar socorrê-la.

"Eu só tinha comigo cerca de 170 euros e precisava de 5700 para pagar uma cirurgia de urgência. O meu amigo Bill felizmente tinha com ele essa quantia", contou a mulher, que estava alojada num hotel em regime de pensão completa, à imprensa britânica.

Agora, a jovem mãe interpôs uma ação legal contra a empresa Thomas Cook, alegando que o hotel onde estava hospedada não tomou as devidas precauções para monitorizar o intervalo de tempo de quem escorregava no tobogã.

"A mulher apanhou balanço e foi a correr para o tobogã a uma grande velocidade. Quando dei por mim ela vinha na minha direção e caiu em cima de mim", conta.

Jemma, que viajou também com os filhos, ficou várias semanas internada e nos seus pais tiveram de se mudar temporariamente para a Turquia a fim de tomar conta dos netos. Agora, a vítima espera poder ser indemnizada por todos os danos sofridos.
Bill Jemma Joslyn Thomas Cook Turquia questões sociais
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)