Mulher alérgica ao frio pode morrer caso arrefeça

Canadiana vive em cidade com temperaturas que podem chegar aos 40 graus negativos.
02.12.18

Uma mulher de 21 anos que reside na cidade de Edmonton, no Canadá, desenvolveu uma alergia ao frio e pode até ter um choque anafilático e morrer caso uma crise não seja tratada a tempo. Uma condição difícil de suportar, da do que Arianna Kent vive numa cidade que tem temperaturas de chega a atingir os 40 graus negativos no inverno.

A jovem tem uma doença auto-imune que reage a baixas temperaturas e causa urticárias em todo o corpo, podendo até mesmo deixá-la com as vias respiratórias bloqueadas. O contato com água gelada ou vento frio são suficientes para dar início a uma crise alérgica.

Arianna afirma que tenta ficar sempre em locais aquecidos e usar roupas quentes para sobreviver, especialmente durante o inverno, mas isso não evita que passe por algumas situações constrangedoras. 

Uma vez, por exemplo, quando trabalhava na indústria de restauração, o gerente disse que o casaco que estava a usar para se proteger de uma reação alérgica fazia a mulher ter uma aparência pouco profissional, avança o jornal Metro.

A gravidade das reações alérgicas já a fez ter de ir ao hospital vezes num mesmo mês. Ainda assim, muitas pessoas e inclusive os profissionais de saúde não acreditam que as reações alérgicas no corpo são causadas pelo frio.

"Mesmo quando eu estava no hospital e explicava aos médicos e enfermeiros que tenho alergia ao frio, alguns profissionais olhavam-me como louca. As pessoas muitas vezes não acreditam, dizem que não é porque estou sempre a sentir frio que isso significa que sou alérgica", relata ao mesmo jornal.

Apesar de rara a condição de Arianna Kent existe e está diagnosticada. As pessoas que sofrem de alergia ao frio ou urticária ao frio desenvolvem reações advsersas quando sujeitas ao arrefecimento. É uma doença rara, mas tem sido reportada em várias partes do mundo.

pub

pub