Barra Cofina

Correio da Manhã

Insólitos
5

Pai condenado em tribunal por obrigar filha a assinar contrato para "nunca ficar gorda"

Homem de 56 anos, fanático do fitness, apanhou dois anos e meio de cadeia por maus-tratos aos filhos.
Correio da Manhã 18 de Abril de 2021 às 10:05
Amira foi obrigada a assinar contrato para nunca ficar gorda
Amira foi obrigada a assinar contrato para nunca ficar gorda
Amira foi obrigada a assinar contrato para nunca ficar gorda
Amira foi obrigada a assinar contrato para nunca ficar gorda
Amira foi obrigada a assinar contrato para nunca ficar gorda
Amira foi obrigada a assinar contrato para nunca ficar gorda

Um pai controlador foi condenado a pena de prisão no Reino Unido por maus-tratos aos filhos e danos corporais graves. Em causa estava um episódio em que Rachid Khadla, de 56 anos, de Windsor, terá obrigado a filha a assinar um contrato que estipulava que esta nunca poderia engordar.

O homem de 56 anos, fanático do fitness, forçou Amira, que entretanto cortou relações com o progenitor, a assinar um documento onde se lia "Eu nunca me vou permitir engordar. Vou fazer muito exercício para garantir que nunca vou ficar gorda… Até morrer".

Em tribunal, Amira revelou que o pai a obrigava a pesar-se várias vezes por semana e que, devido ao controlo obsessivo do seu peso por parte do pai, desenvolveu distúrbios alimentares.

"Comecei a sentir-me estúpida e sem valor. Perdi a minha autoconfiança e desenvolvi um distúrbio alimentar grave. Toda a minha vida, ao crescer, foi afetada por isto. Por causa dele eu não tive uma vida normal ou uma infância feliz", lamentou Amira em tribunal.

Foi revelado que, sempre que qualquer um dos três filhos desobedecia às ordens do pai, ficavam sem acesso à internet, aos telemóveis ou até mesmo às chaves de casa.

Após relatarem os vários episódios de violência que sofreram ás mãos do pai, os outros filhos de Rachid garantem que sofrem de stress pós-traumático devido ao caso familiar.

Amira Reino Unido Rachid Khadla Windsor crime lei e justiça questões sociais saúde tribunal