A Arte de Ser Feliz

A felicidade depende do que cada um espera da vida. Hoje, queremos tudo a cada momento. Ora, isto é impossível
16.09.18
A Arte de Ser Feliz
Foto iStockPhoto
Por Maria Filomena Mónica 

Ando preocupada com o estado de espírito de Humanidade. Os meus contemporâneos vivem hoje melhor do que há cem anos, mas há qualquer coisa no ar que os faz sentir infelizes. A um tal ponto que depois de se ter descoberto que, na Índia, 1 em cada 4 jovens (entre os 13 e os 15 anos) sofria de depressão, o governo de Nova Delhi decidiu impor às escolas públicas a inclusão, nos seus programas, de uma disciplina cujo objetivo é ensinar os alunos a ser felizes. Não se pense que isto existe apenas na Índia. A Ocidente, está em voga um método semelhante, conhecido como ‘mindfullness’, baseado na meditação. Segundo os seus adeptos, quem o pratique conseguirá combater a tristeza que se estaria a multiplicar nas sociedades ricas. O que me irrita nestas modas é o seu dogmatismo. Por mais de uma vez me deparei com jovens que julgava inteligentes e que, de um dia para o outro, me aparecem com um sorriso aparvalhado e uma total incapacidade para manter um diálogo racional.
A felicidade depende, em grande medida, do que cada um espera da vida. Um aldeão do século XVII apenas desejava não passar fome. Portanto, quando ao fim do dia a mulher lhe punha diante do nariz uma sopa e um copo de vinho sentia-se feliz. Só com o advento da Civilização Moderna as aspirações se alteraram: hoje, queremos tudo e tudo a cada momento. Ora, isto é impossível.

O reconhecimento deste facto levou-me à obra póstuma do filósofo alemão A. Schopenhauer ‘L’Art d’Être Heureux à Travers 50 Règles de Vie’ (Ed. du Seuil, 2001), um livro imperdível. Veja-se, por exemplo, a regra nº 24, em que o autor defende que, durante a segunda metade da vida, a inquietação perante a desgraça se instala na nossa alma, substituindo a aspiração insatisfeita dos primeiros anos. Para este filósofo, "a maneira mais segura de uma pessoa não se sentir miserável consiste em não esperar ser feliz". Fiquei tão entusiasmada com esta posição, que acabo de comprar um tapete para o rato do meu computador com uma frase sua: "A vida move-se, como um pêndulo, oscilando entre a dor e o tédio". Fiquei logo mais consolada.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!