Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
6

A casa do leão

Aqui o leão é manso e sofre as influências do mar. Por isso, come-se mais peixe do que carne! O primeiro é sempre fresco, não há nada que enganar!
14 de Agosto de 2005 às 00:00
A fama do Leão d'Ouro vem de longe, do século XIX, e deriva sobretudo da sua história e da importância de muitos dos seus frequentadores mais assíduos e, também, dos sumptuosos azulejos que exibe na sua decoração. De resto chegou aos nossos dias sem o brilho de antigamente, muito por culpa dos tempos que correm, mas também porque se virou, sobretudo, para o turista eventual que visita a capital.
Pegando nesta vertente era óbvia a deserção nacional e, se outrora o facto desta casa ter sido local de camaradagem artística, onde pontificaram os irmãos Bordalo Pinheiro, o paisagista Silva Porto, os pintores José Malhoa e Ribeiro Cristino entre muitos, lhe trouxe a fama até de galeria, pelas telas que expunha e comercializava, com o decorrer dos anos perdeu as suas tertúlias e o encanto relacionado.
Na realidade, o Leão d’ Ouro não nasceu onde agora existe mas sim no estabelecimento contíguo. Quando mudou de poiso manteve o nome e as paredes da nova sala foram então intensamente recobertas por extensos painéis de azulejaria portuguesa.
Actualmente o Leão d'Ouro é um local que as gerações mais jovens não procuram, pois se os atractivos históricos cativam pouco, os preços altos também não ajudam e as sugestões oferecidas não ombreiam com os valores praticados.
O Caril de Gambas é singelo e a Feijoada de Marisco, apesar de bem recheada, não deixa saudades. É, no entanto, nas grelhadas mistas de peixe fresco e de marisco que o menu brilha e os apetites se abrem. Já foi dito que o preço não é acessível e neste particular não é mesmo mas, se esquecermos esse 'detalhe', sai-se da mesa plenamente confortado e satisfeito. Outra sugestão muito agradável são os crepes doces de sobremesa, que flamejados no momento com rum, em molho de manteiga, resolvem bastante bem a refeição.
Com a localização privilegiada que tem, o Leão d'Ouro bem que podia reeditar as tertúlias com os artistas do presente. E se, como galeria de arte as coisas dificilmente funcionariam, na música o sucesso seria garantido. Aliciem-nos que a gente vai!
LEÃO D'OURO
LOCAL: Rua 1.º de Dezembro, 105, 1200-358 Lisboa
Tel: 213 426 195
HORÁRIO: Das 12 às 16:00 e das 19:00 às 23:00 horas, todos os dias
PREÇOS: menu a partir de 30 euros
FACILIDADES: Estacionamento difícil nas ruas adjacentes. Podem utilizar-se os vários parques públicos existentes na zona. No entanto aconselhamos a utilização de transportes públicos, nomeadamente o Metropolitano (estações de Restauradores ou Rossio) 80 lugares no interior e 20 no exterior (eventualmente) A FAVOR: Os grelhados de peixe fresco, a localização e o espaço.
CONTRA: Os preços. Ambiente a precisar duma lufada de ar fresco e outra dinâmica.
FEIJOADA DE MARISCO
INGREDIENTES E PREPARAÇÃO
800g de marisco variado, 1kg de feijão manteiga enlatado, 1 cebola, 1 cabeça pequena de alho, 50g de bacon, 1 linguiça, 40g de polpa de tomate, 200ml de vinho branco, 1 caldo de peixe, sal, pimenta e piripíri q.b.
Faça um refogado com bastante cebola, alho, bacon, linguiça, polpa de tomate, vinho branco, caldo de peixe e piripíri. Junte de seguida o marisco e a calda das latas de feijão, e deixe cozer um pouco. De seguida adicione o feijão e deixe cozinhar. Por fim deite tudo num recipiente de barro, sobreponha umas quantas nozes de manteiga e leve ao forno até crestar um pouco. Sirva acompanhado com arroz. Pode usar marisco pré-cozido se preferir.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)