Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
6

A FAMÍLIA RADIOFÓNICA

Pode um programa de rádio dar ‘à luz’ uma grande família? A resposta é afirmativa. Nas ondas hertzianas da RBA - Bragança, Nicolau Sarnadela é o patriarca de uma ‘prole’ com mais de 20 mil membros
18 de Maio de 2003 às 00:00
Nicolau Sarnadela tem uma ‘família’ com mais de 20 mil pessoas, oriundas de seis distritos, 50 concelhos e 1870 localidades. A ‘prole’ arranjou-a, ao longo de 14 anos, na RBA – Bragança, com um programa radiofónico que, entre lágrimas, desabafos e solidariedades, fidelizou um vasto auditório. Ao ‘patriarca’ Sarnadela colou-se-lhe a designação de ‘Tio João, patrono de uma família’ e a popularidade é de tal forma que já teve de fazer o programa da cama de um hospital. O auditório assim o exigiu e o ‘Tio João’, mesmo doente, não se fez rogado. “Fui internado de urgência e só no primeiro dia recebi 144 visitas, o que dificultou a vida da enfermaria”, lembra o radialista, acrescentando que até os telefones ficaram “entupidos”. “Durante os onze dias de internamento, graças a um sistema telefónico instalado no Hospital de Bragança, o programa foi para o ar.”
Todas as emissões começam com a oração da manhã. “As pessoas são incentivadas a principiarem o dia a rezar, agradecendo a Deus pela nossa família e pelos doentes.” E com as orações começa a corrida ao telefone – todos querem rezar em directo – e, a partir daí, as chamadas sucedem-se. “O que eu digo às pessoas é que o nosso programa é um ‘Big Brother’ gigante que, em vez de ser numa casa, é em milhares delas ao mesmo tempo. E dali ninguém é expulso.”
Mas como se mantém um programa com duas horas, de segunda a sexta-feira, durante 14 anos e com a mesma participação? “Se fosse pensado e idealizado para ser assim já teria terminado há muito tempo”, justifica Nicolau Sarnadela, imputando à espontaneidade o sucesso. “Este espaço radiofónico não é um programa de rádio mas sim o momento em que as pessoas aproveitam para falar, desabafar, chorar, rir, rezar e quebrar a solidão.”

AUDIÊNCIA COM O PAPA Mas há muito tempo que a família de 'Tio João' não se contenta com as palavras através das ondas da rádio. Ao longo dos anos foi já realizada uma trintena de festas, com destaque para um grande piquenicão que reúne “milhares de ouvintes de mais de duas mil localidades” de todo o interior Norte do País. E uma das 75 viagens pela Europa já organizadas ficará para sempre no álbum de família: a ida ao Vaticano. “Cinquenta membros da ‘Família do ‘Tio João’ foram recebidos, no dia 1 de Maio de 1996, pelo Papa João Paulo II, que abençoou a Rádio Bragançana (RBA), e a ‘família’ do programa, dando-me ainda o privilégio de uma entrevista.”
Estreitam-se laços ao vivo, desfazem--se ilusões e celebram-se amizades. E o movimento em torno do programa é tal que Sarnadela é solicitado a privar com os ouvintes. “Visito-os, mesmo quando se trata de comunhões, baptizados, matança de porcos ou reunião de amigos.”
Mas se o radialista partilha dos momentos de festa dos ouvintes, também os ouvintes foram, há 12 anos, convidados para o seu casamento. “Durante dois dias passaram por lá cerca de 2000 pessoas. Nós funcionamos sempre em torna jeira: quer dizer, eu sou amigo das pessoas, as pessoas são minhas amigas.”
Um ‘soglan’ traduz bem este espírito: “ganhamos pouco mas gozamos muito, fazemos viagens, festas, estamos sempre em contacto uns com os outros”.
Disposto a continuar a abrir o microfone todos os dias da semana às 6h00,
enquanto “houver transmontanos, beirões, dourienses e minhotos interessados em dar e receber amor e amizade”, o ‘Ti João’ pensa já no próximo encontro da ‘família’, marcado para o dia 22 de Junho, no Santuário da Nossa Senhora da Saúde, em Sabrosa, onde se esperam mais de 20 mil pessoas.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)