Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
5

Aeroportos, estações e urgências

Com a sensação de ter descoberto um mundo, foi-se-me a melancolia
J. Rentes de Carvalho 27 de Agosto de 2017 às 11:45

É um fascínio que nasceu no começo da tarde de um domingo dos meus longínquos dezanove anos, em que, jovem miliciano, aborrecido e triste de me ver obrigado a uma existência que me desagradava, me deixei ficar a uma janela do Quartel da Graça, olhando lá do alto para a cidade, ciente de que de imediato trocaria a minha vida por qualquer uma das que enchiam as ruas, pois de certeza haveria nela mais esperança e razões de optimismo do que na que eu levava.

Foi então que, achando-me sombrio, o Barros, alfacinha de gema, vizinho de camarata e depois amigo para a vida, sugeriu que em vez de estar ali a assombrar-me, esquecesse a tropa e fosse com ele. Apanhávamos o autocarro, íamos à Portela ver os aviões, ver quem lá estava, e beber uma cerveja.

Surpreendeu-me o edifício, encimado por uma pequena torre de controle e, dada uma vista de olhos à pista e ao único avião que ia levantar voo e me pareceu gigantesco, sentámo-nos na varanda do bar, onde entre sujeitos engravatados, senhoras de chapéu e meninas muito compostas, estariam talvez cem pessoas, atendidas por um pessoal exemplar na sua postura e deferência.

Admirando aquilo tudo, e com a sensação de ter descoberto um mundo, foi-se-me a melancolia.

Não é só por essa recordação antiga, mas de facto gosto de aeroportos, e quanto maiores melhor. De Gaulle, Atlanta, Dubai, Frankfurt, Schiphol, Heathrow, neles não me interessam os aviões, sim a massa de gente, e nessa massa o grupo que se movimenta com os ademanes de quem não está ali somente para viajar, mas parecendo tomar parte numa misteriosa telenovela. Ele são os óculos escuros, o traje, os acessórios, o ar entediado, o modo desprendido de empurrar o carrinho, de rir para o telemóvel. Gosto mesmo. Tivesse eu tempo, ocasião, e não corresse o risco das autoridades me tomarem por importuno ou vadio, passaria o tempo nos aeroportos, certo de que me viria daí mais proveito do que andar pelas ruas em busca de assunto para as minhas histórias. Tanto mais que esse povo é muito diferente da multidão bisonha que se arrasta pelas estações à espera do comboio.

Agora devo talvez desculpar-me para confessar que, além dos aeroportos, também sinto atracção pelas urgências dos hospitais. Mas lá não é a pose, são os rostos que me fascinam. Defronte daquelas expressões de medo e sofrimento, concluo as mais vezes – erradamente, bem sei – que a humanidade é boa e pronta a arrepender-
-se. Pena que o arrependimento seja sempre de pouca dura.

Texto escrito na antiga ortografia

Frankfurt Quartel da Graça Barros Portela
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)