As primeiras eleições livres

O País foi a votos, nas primeiras eleições livres da nossa História, para a Assembleia Constituinte. Ganhou o Partido Socialista, de Mário Soares.
24.04.05
  • partilhe
  • 0
  • +
As primeiras eleições livres
Foto d.r.
Num encontro com Henry Kissinger, na Casa Branca, em finais de 1975, Mário Soares recebeu um conselho a que não deu ouvidos: o secretário de Estado norte-americano disse-lhe para não regressar a Portugal – porque o Partido Comunista iria sair vencedor da batalha política que se travava no nosso país. Mário Soares, apesar do aviso, não ficou no estrangeiro: desembarcou em Lisboa para liderar o contra-ataque ao Governo, chefiado por Vasco Gonçalves, e ao Movimento das Forças Armadas.
A campanha arrancou em 2 de Abril com 12 partidos. À cabeça dos boletins de voto, a União Democrática Popular (UDP). Seguiam-se, por esta ordem, o Partido de Unidade Popular (PUP), o Movimento de Esquerda Socialista (MES), o Partido Popular Democrático (PPD), o Movimento Democrático Português/Centro Democrático Eleitoral (MDP/CDE), o Centro Democrático Social (CDS), o Partido Comunista Português (PCP), a Liga Comunista Internacionalista (LCI), o Partido Socialista (PS), a Frente Eleitoral de Comunistas Marxistas-Leninistas (FEC - ML), a Frente Socialista Popular (FSP) e o Partido Popular Monárquico (PPM).
A grande batalha eleitoral travou-se entre o PCP e o PS. O secretário-geral do PPD, Francisco Sá Carneiro, estava ausente, por doença, em Londres: partira de Lisboa em 29 de Março, regressou para votar, e voltou para Inglaterra. O PPD fez a campanha liderado pelo secretário-geral-adjunto, Rui Machete. Apenas em finais de Maio, Sá Carneiro, já então em convalescença no Sul de Espanha, pediu ao conselho nacional do partido a nomeação de um secretário-geral interino - Emídio Guerreiro, que só abandonou a liderança em Setembro, quando Sá Carneiro se encontrava completamente restabelecido.
O CDS, presidido por Freitas do Amaral, entrou mal na campanha. O ‘Diário de Notícias’, na edição de 4 de Abril, dava conta da paralisação da ‘máquina’ centrista: “No terceiro dia da campanha eleitoral, apenas um partido não realizou nem anunciou quaisquer comícios ou outras sessões públicas”. O CDS era um partido acossado. Os comícios que tentou fazer na Grande Lisboa eram interrompidos – alguns a tiro. Apenas no Norte tinha alguma liberdade. Ainda assim, um comício no Teatro Jordão, em Guimarães, foi atacado com cocktails Molotov (bombas incendiárias de fabrico artesanal). A intervenção de uma companhia do Regimento de Infantaria de Braga evitou um banho de sangue. Os dirigentes do CDS só conseguiam ‘passar a mensagem’ através da televisão. Não havia, nesse tempo, tempos de antena trabalhados. Os dirigentes dos partidos iam todos os dias aos estúdios da RTP, no Lumiar, e falavam para as câmaras durante 10 minutos. A estrela do CDS nestas intervenções televisivas era Adelino Amaro da Costa: aliava aos dotes de oratória o treino a que se submetera em Londres com especialistas do Partido Conservador.
As eleições destinavam-se a eleger uma Assembleia Constituinte – que tinha como única e suprema missão fazer aprovar a Constituição. O partido mais votado, como acontece nos regimes parlamentares, não seria convidado pelo Presidente da República a formar Governo. O Movimento das Forças Armadas decidira que o chefe do Executivo devia ser um militar. O Governo em funções, o IV Provisório, era chefiado por Vasco Gonçalves, próximo do PCP - e assim devia continuar, qualquer que fosse o resultado das eleições.
Os números seguros das eleições só foram conhecidos cerca das cinco da manhã de segunda-feira, dia 26: o Partido Socialista, de Mário Soares, era o grande vencedor. O segundo partido mais votada – talvez a grande surpresa destas eleições – foi o PPD. Em terceiro lugar ficou o PCP, imediatamente seguido pelo CDS.
Os comunistas nunca perdoaram ao Presidente da República estes resultados. Culparam Costa Gomes de ter influenciado a votação quando, no dia de reflexão, sábado, se dirigiu aos portugueses pela televisão: o chefe do Estado falou tanto em socialismo, que o povo foi levado a votar no Partido Socialista – acusou o Partido Comunista. Quem conheceu o general Costa Gomes, um cerebral de inteligência superior, não acredita que as incontáveis referências ao socialismo na véspera das eleições tivesse sido inocente. Nos meses que se seguiram, o Presidente ganhou a alcunha de ‘Rolha’ – que lhe assenta como uma luva: o general conseguiu manter-se sempre à tona, evitando, com sabedoria, deixar-se afundar com uma das famílias políticas em disputa. Abriu caminho à vitória eleitoral do PS, mas manteve Vasco Gonçalves no cargo de primeiro-ministro – e nem hesitou quando Mário Soares, empolgado pelos resultados eleitorais, exigiu para o seu partido maior representatividade no Executivo: o Presidente demitiu o Governo, mas convidou Vasco Gonçalves a escolher novos ministros, o que deu origem ao V Governo Provisório.
A REVOLUÇÃO DIA-A-DIA
24 de Abril - O escritor Virgílio Ferreira publica no ‘Jornal Novo’ violento artigo sobre o PREC; Discurso ao país do Presidente Costa Gomes.
25 de Abril - Eleições para a Assembleia Constituinte.
27 de Abril - O primeiro-ministro, Vasco Gonçalves, declara que é objectivo do Governo uma economia de transição para o socialismo.
28 de Abril - Congresso da Intersindical.
30 de Abril - O Conselho da Revolução reconhece a Intersindical.
MÁRIO SOARES
Foi o primeiro líder político a regressar do exílio. Desembarcou do comboio vindo de França na Estação de Santa Apolónia, em Lisboa, no dia 28 de Abril de 1974. Mário Soares teve nesse dia o primeiro banho de multidão: saudou os milhares de portugueses que o esperavam e discursou na varanda principal da estação.
Dois dias depois, foi esperar Álvaro Cunhal, que chegou de avião ao Aeroporto da Portela. Estes dois homens haviam de protagonizar a mais intensa e duradoura batalha política de que há memória em Portugal. Soares saiu vencedor.
RESULTADOS PARTIDO A PARTIDO
Nas eleições de 25 de Abril de 1975, foram eleitos 250 deputados:
PS - 2.162.972 votos (37,9 por cento) - 116 deputados
PPD - 1.507.282 votos (26,4 por cento) - 81 deputados
PCP - 711.935 votos (12,5 por cento) - 30 deputados
CDS - 434.879 votos (7,6 por cento) - 16 deputados
MDP/CDE - 236.318 votos (4,1 por cento) - 5 deputados
FSP - 66.307 votos (1,1 por cento)
UDP - 44.877 votos (0,79 por cento) - os votos concentrados no círculo de Lisboa valeram à UDP a eleição de um deputado
FEC - 33.185 votos (0,58 por cento)
PPM - 32.526 (0,57 por cento)
PUP - 13.138 votos (0,23 por cento)
LCI - 10.835 votos (0,19 por cento)
A Associação de Defesa dos Interesses de Macau, que concorreu no território sob administração portuguesa, conseguiu eleger um deputado.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!