Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
1

Champalimaud contemplou-a no testamento

António Champalimaud, imprevisível como sempre, deixou-lhe em herança uma reforma dourada. Leonor Beleza só soube do que lhe coubera em sorte quando o testamento foi dado a conhecer aos herdeiros, em 2004, pelo advogado Proença de Carvalho.
21 de Outubro de 2007 às 00:00
O velho ‘capitão da indústria’ e ‘príncipe das Finanças’ repartiu dinheiro e património pelos filhos e netos – mas reservava um quarto da fortuna, cerca de 500 milhões de euros, para uma fundação com particular revelo na investigação oftalmológica. Champalimaud também deixou escrito quem devia ser presidente: Leonor Beleza – mulher que admirava pela tenacidade e com quem se cruzara por duas ou três vezes.
Leonor Beleza, de 60 anos, conheceu tempos amargos. Dividiu o País, em plena maioria absoluta de Cavaco Silva, como ministra da Saúde: uns aplaudiam a marca de autoridade; outros retorciam-se incomodados com tanta intransigência. Abandona o Governo no final da década de 90. Não tanto pela política – mais pelas suspeitas de corrupção que envolviam o irmão, José Manuel (‘Zezé’), e o secretário de Estado, Fernando Costa Freire. Regressa ao Parlamento.
Estoira então um dos mais penosos processos judiciais contra políticos de topo de que há memória em Portugal: Leonor Beleza – e mais 11 altos funcionários da administração da Saúde, entre eles a mãe, Maria dos Prazeres, que desempenhara as funções de secretária-geral do Ministério – é acusada, em 1994, do crime de “propagação de doença infecto-contagiosa com dolo eventual”. É apanhada no escândalo da infecção de hemofílicos com o vírus da sida.
O Ministério da Saúde importou de um laboratório austríaco plasma sanguíneo contaminado. Segundo a acusação do Ministério Público, a ministra foi informada a tempo pela Associação Portuguesa de Hemofílicos de que o lote 810537 não era seguro – e Leonor Beleza, de acordo com a procuradora Helena Faim, “conformou-se com o resultado”.
A ex-ministra padeceu durante 8 anos. O processo percorreu uma curiosa via sacra – do Tribunal de Instrução para o Tribunal da Relação, da Relação para o Constitucional, do Constitucional para o Supremo. Nem sequer houve julgamento. O processo prescreveu. A família volta a amargar noutro caso judicial. Em 2004, Miguel, o filho mais novo, é detido na sequência do desmantelamento de uma rede de tráfico de droga entre Lisboa e o Algarve. Esteve preso preventivamente. Foi condenado a uma pena suspensa.
Quando termina o curso de Direito, em 1972, está determinada a seguir carreira académica. É a segunda mulher assistente na Faculdade. Mas o bichinho da política só lhe morde forte em 1981: Marcelo Rebelo de Sousa, que fora seu colega de curso, recomendou-a para secretária de Estado do Conselho de Ministros no Governo chefiado por Pinto Balsemão. Será ainda secretária de Estado da Segurança Social (durante o Bloco Central) e, a seguir, é convidada por Cavaco Silva para ministra da Saúde.
Ao deixar o Governo, regressa à Assembleia da República e, ao mesmo tempo, faz planos para se dedicar à advocacia, que nunca exerceu. Como qualquer jovem advogada, é obrigada ao estágio: assiste a audiências de julgamento e pede aos juízes que assinem o papelinho das presenças. Hoje, muito provavelmente, estaria a trabalhar no escritório de Proença de Carvalho. Mas António Champalimaud tinha outros planos.
FILHA DO SECRETÁRIO DE SALAZAR
A família vivia em Coimbra, mas Leonor nasceu no Porto. Tem duas irmãs e dois irmãos: Teresa (catedrática da Faculdade de Direito), Maria dos Prazeres (conselheira do Supremo), Miguel (catedrático de Economia) e José Manuel, o mais novo, o único sem estudos superiores. A família mudou-se para Lisboa, em 1957, quando o patriarca tomou posse como secretário de Estado do Orçamento. Leonor tinha 9 anos. Estudou no Liceu Maria Amália, exclusivamente feminino. Em Direito, foi colega de João Soares, Braga de Macedo, João Seabra, Marcelo Rebelo de Sousa.
PERFIL
Leonor Beleza é casada com Diogo Mendonça Tavares, engenheiro, que fez carreira profissional no ICEP. O casal tem dois filhos, Mariana e Miguel.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)