Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
3

Fernanda Miranda - A mulher que amansou o dragão

Discreta podia ser o seu cognome. A mulher que ganhou o presidente do FC Porto pode até gostar de luxos mas apaparica também o seu homem. Obriga-o com falinhas mansas a mudar o estilo de vida. De resto, falar fala pouco, pelo menos em público, ainda que na terra natal descrevam esta brasileira como uma pessoa muito “determinada”, “Brava” e que “sabe o que faz”
Miriam Assor 1 de Maio de 2016 às 14:06
Nem num estádio de futebol com tantos jogadores à procura de um golo o seu comportamento se altera: "Impávida e serena" é como um portista com cadeira na tribuna do Dragão a vê. A razão de ir sempre aos jogos e às deslocações resume-se a não querer deixar sozinho o esposo. Nas viagens ao estrangeiro, é levada pelo motorista ao aeroporto e, para evitar jornalistas, é, infalivelmente, a primeira chegar. Jorge Nuno Pinto da Costa chega e vai com a equipa. Fernanda Miranda, afinal, não se dá com os filhos do seu mais que tudo – Pinto da Costa – Alexandre e Joana, embora em público mantenha quase na perfeição as aparências. Não sabemos se é por opção ou se para evitar algum ciúme, não sai sozinha, não vai a festas sozinha, não faz vida social sozinha. Amigos, não se lhe conhecem. Compras, muitas, para a própria, para o filho, João, e para o maridinho, feitas no El Corte inglés, em Gaia, onde as funcionárias a rodeiam com pompa e circunstância. Raríssimos clientes usufruirão de tamanha benesse: Fernanda Miranda, a mulher do líder dos azuis, tem absoluta luz verde para levar artigos para casa, experimentá-los em casa, sem pagar, depois devolver o que não gosta e proceder ao pagamento da roupa com que decidiu ficar. O aspecto exterior abarca uma importância enorme, mas o que está em primeiro lugar não é somente dar coices à celulite como zelar pela saúde do cônjuge, nascido quarenta e nove Outonos antes dela. Todas as manhãs sai para caminhar na marginal, leva o cão e Pinto da Costa, e, ao que tudo indica, o presidente do Futebol Clube do Porto convenceu-se de que é positivo um estilo de vida saudável. Mulher com gostos caros e compradora de arte, convenceu-o também a mudar-se do apartamento junto ao Dragão para a zona do Castelo do Queijo, com vista para o Parque da Cidade e o Mar, junto à marginal.

Possui tiques luxuosos. É inegável. Justiça lhe seja feita; tem bom gosto, no que diz respeito a vestidos, casacos, sapatos, malas e jóias. Discreta, muito reservada e desconfiada, a lembrança que deixou na sua terra, Touros, no Brasil, é de ser mulher de arena firme: determinada. Lutadora. Brava. Concentrada nos objectivos. Quando algo lhe entra na ideia é escusada a tentativa de a contrariar. Pode demorar a atingir o chão que pretende, é capaz de precisar de mais tempo do que uma criatura apressada. "Ela sabe o que faz", assegura quem a conhece.

No Brasil
Fernanda de Sousa Miranda nasceu de um ventre com 12 anos. Raquel Farias França e o marido, Josafá Tarquínio da Silva, adoptaram a bebé. Deram-lhe coração e casa. Fernanda de Sousa Miranda, quase a atingir os trinta anos, aos olhos da mãe adoptiva, nunca precisou de ninguém para sobreviver: "Nós demos tudo para ela". Esta dádiva amorosa, que lê num artigo de 2010, na ‘ Tribuna do Norte’, vem em forma de carro-vassoura devido à mostarda que lhe acercava às narinas: "A imprensa portuguesa queria prejudicar a vida da filha."

Fernanda Miranda conheceu o primeiro marido, o português Luís Miguel Cardoso, na localidade onde morava, em São José, Touros. Ela tinha 18 anos e ele ultrapassava os trinta. Casaram-se, tiveram um filho e abriram um restaurante, Samburá, na praia de Touros. No município, e após tanto tempo, as touradas dos supostos ciúmes que Luís Miguel sentia de Fernanda ainda deixam eco em terras de Vera Cruz: "O marido era violento e levou a Fernanda com ele." Pois. Mas Fernanda, apesar de muito jovem, podia ter optado por não ir. O negócio não deu certo e o casal troca o Brasil pelos arredores do Porto. Bem recebida pela família de Luís Miguel, houve quem não soubesse ou não entendesse as razões que conduziriam Fernanda a abandonar o lar. Hoje em dia, a situação ficou resolvida. O filho, João, vive com a mãe e com Pinto da Costa.

A sua página pessoal do Facebook, que outrora servia para partilhar opiniões, emoções e imagens pessoais foi, em tempos, ao que se sabe, apagada a pedido do marido. "Amo-te mais do que tudo" não conseguiu alterar a vontade de Jorge Nuno Pinto da Costa, que nunca estimou expor a intimidade. Na recorrente rede social, o estado civil de Fernanda começou por ser "casada", a seguir, passou para uma "relação aberta", e logo substituiu-se por "numa relação". A precipitação daria vez à segurança. Calma. Com calma. Após três anos de namoro, presumivelmente iniciado no lugar onde Fernanda Miranda trabalhava no Porto, no Centro Comercial Dolce Vita, na Sacoor Brothers, o casamento no civil haveria de chegar. Um dia após o jogo, na Madeira, entre o Nacional e o FC Porto, a 31 de Janeiro de 2010, a ligação com Pinto da Costa tornara-se pública e, por conseguinte, o contrato com a Sacoor Brothers alcançaria o fim. Consta que circulou internamente um email a solicitar discrição e silêncio de todos os funcionários sobre o caso. A empresa dos irmãos Sacoor nunca confirmou.

A história de como Fernanda e Jorge Nuno se descobriram é, e desculpem a franqueza, corriqueira e carece de imaginação romântica: Jorge Nuno Pinto da Costa ter-se-á deslocado à loja para comprar uma gravata e morreu de amores pela moça bonita que o atendeu. Fernanda Miranda, que tinha na mira tudo menos aumentar problemas, acabaria por dar o nó, e não era na gravata. Em Julho de 2012, dia 28, um Sábado, tal como manda a tradição, a boda entre Fernanda Miranda e, como diz a imprensa brasileira, "o poderoso presidente do Futebol Clube do Porto, Pinto da Costa", dar-se-ia no país natal da noiva. Uma cirrose hepática não consentiria que o pai adoptivo estivesse vivo. O senhor Josafá Tarquínio Silva, agente de saúde pública, morreria em 3 de Junho desse ano, e terá sido motivo suficiente para aligeirar o festejo. Presentes vinte e cinco convidados (incluídos o filho do noivo, Alexandre, os netos Nuno e Maria, e o irmão José Eduardo), um número de convivas certamente inferior aos seguranças que intentavam imitar Deus, estando em todos os lados e em variadas posições, inclusive em carrinhas e em quadriciclos.

Com sede ninguém ficou. Bebeu-se, e bem, whisky Old Parr, vinho branco Pera Manca, tinto Duas Quintas, champanhe Moët & Chandon Brut Imperial e caipifrutas. De Natal, vieram doces e chocolates através da irresistível e desgraça dos diabéticos, a loja Kyara; o uruguaio Francisco Gasteasoro foi o chef de serviço, e o bolo de casamento construído pela mestre Teresa Vale: "Já foi há muito tempo, mas tenho quase a certeza de que deve ter sido o bolo tradicional de ameixa, que além de conter outros ingredientes, também leva frutas cristalizadas e um pouco de vinho." A receita da cobertura deste monumento é segredo, apenas sabe-se que beneficiava da mesma cor do vestido da noiva. Branco, e curto, o modelo do estilista Oscar de La Renta, custou 2900 euros e terá sido adquirido numa boutique de luxo, na capital espanhola. Igualmente as flores trazidas por Valéria Calazans seriam de idêntica cor: "Rosas, lisianthus e astromélias, todas brancas!" exclama a própria decoradora. Tirar fotografias a cores ou a preto e branco, nem pensar. Só sortudos – família directa e jornalistas escolhidos a dedo – detinham esse aval. Luís Couto, o DJ que antecedeu a actuação da Orquestra Garcia, de Recife, desconhecia as regras apertadas da organização e tentou flashar através do seu telemóvel: "Disseram-me logo que era proibido, e que só quem tivesse permissão. Disto eu nunca esqueci!" Também não esqueceu parte do cardápio musical tocado no festejo: "Música Popular Brasileira, Bossa Nova e Lounge." A memória tem limites. Não se recorda quais foram as composições escolhidas pela Fernanda para serem tocadas durante a cerimónia: "Sei que uma era de Roberto Carlos." Provavelmente ‘O Amor é Mais’, cuja parte da letra já servira para que Fernanda fizesse no Facebook uma declaração de bem-querer ao apaixonado do Dragão.

O Condomínio Tucano, em Perobas, Touros, o cenário do enlace, fora construído pelo português Armando Jorge, ex-sócio de Rui Veloso. A sociedade e a amizade feneceriam por divergências, mas, antes de terminar a jornada comercial no Brasil, o cantor lembra-se: "A Fernandinha, que é simpática, ainda nos ajudou a empurrar um jipe (era de um amigo meu) que estava atolado na areia."
Jorge Nuno Pinto da Costa presidente do Futebol Clube do Porto Fernanda Miranda
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)