Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM

IO APOLLONI: ACEITAVA ENTRAR NO PROGRAMA

“Se calhar aqueles que lá estão (na ‘Quinta das Celebridades’) foram escolhidos para dar barraca”, diz Io Apolloni antes de soltar uma enorme gargalhada.
10 de Outubro de 2004 às 00:00
Para a actriz que há quase 40 anos aterrou em Portugal, o trabalho dos famosos convocados para o programa da TVI não tem segredos, dado passar ainda hoje grande parte do tempo no cultivo da sua quinta em Cabanas de Palmela. “Eu até gostava de participar naquele concurso, exactamente para os colocar na ordem. Punha-os a cavar a terra para verem como é”, revela sempre bem disposta.
Fala a voz da experiência. Nascida há 59 anos numa aldeia rural onde toda a gente tinha ovelhas, vacas e pequenas hortas de cultivo, nada na agricultura lhe é estranho, embora confesse que a filha, Roxanna, é incapaz de pegar numa enxada – falta-lhe o chamamento do campo que existe na mãe.
Por tudo o que viveu, Io Apolloni sabe o quão difícil é fazer a comida em forno de lenha, semear os mais diversos legumes e tratar dos animais. “É um trabalho muito duro, as pessoas nem têm a mínima ideia do esforço que isto envolve. Acho muita graça àquele que queria levar a manicura e o cabeleireiro (José Castelo Branco). Ele nem ia ter tempo para isso, coitado. Provavelmente, se ele soubesse o que o esperava nunca se tinha metido ali.”
Sendo certo que a labuta numa horta é difícil mas também não corresponde aos 12 trabalhos de Hércules, a marca do esforço e da dedicação de Io Apolloni àquela vida começam a dar sinais a nível físico. Faltam-lhe já forças para realizar as provas mais exigentes, a enxada pesa mais do que o costume, embora a “eternamente actriz” continue a acreditar não existir melhor terapia para aliviar o stresse do que rodear-se da natureza e cavar.
No terreno em Palmela, Io tem grandes áreas de fruto, que de forma humilde e sincera reconhece não saber plantar, ajeitando-se melhor com as alfaces, os tomates – faz uma compota que, diz quem já provou, é de comer e chorar por mais –, as batatas, os pimentos. “E não planto mais porque a fábrica rouba-me muito tempo, e tenho que estar sempre em cima da jogada. A rega, por exemplo, obriga a grandes cuidados”, afiança ao jeito dos mais reputados especialistas, enquanto volta a sublinhar o quanto gostaria de ter oportunidade de mostrar os seus dotes agrícolas na televisão.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)