Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
4

Isabel Allende: gastronomia afrodisíaca

Uma obra no labirinto dos prazeres sensuais
João Pedro Ferreira 12 de Janeiro de 2020 às 14:00

Isabel Allende Llona (n. 1942) é uma escritora chilena famosa pelos romances em que as suas experiências pessoais e familiares servem de inspiração a narrativas no estilo do realismo mágico. Ganhou projeção internacional com ‘A Casa dos Espíritos’, publicado na Argentina em 1982, depois de ter sido rejeitado por vários editores.

O erotismo é uma presença constante na sua obra, ocupando lugar de destaque em ‘Afrodite. Histórias, Receitas e Outros Afrodisíacos’ (1998), onde combina a sexualidade com outra paixão: a comida - é ao mesmo tempo um livro de receitas e um guia de orientação no labirinto dos prazeres sensuais.

Filha e enteada de diplomatas, Isabel Allende nasceu no Peru e passou a adolescência na Bolívia e no Líbano. Depois do primeiro casamento, tornou-se jornalista e foi funcionária da FAO (agência da ONU para a alimentação e a agricultura) na Europa.

De regresso ao Chile trabalhou como tradutora, mas foi despedida porque alterava os diálogos e mudava o fim de histórias tradicionais (como a ‘Gata Borralheira’) para tornar as heroínas mais inteligentes e assertivas. Depois da morte do seu primo Salvador Allende no golpe de Pinochet, em 1973, Isabel recebeu ameaças de morte e partiu para o exílio, primeiro na Venezuela e depois nos EUA, onde voltou a casar e obteve a cidadania norte-americana.

Da sua obra, reeditada pela Porto Editora, destacam-se ainda ‘Longa Pétala de Mar’, ‘O Amante Japonês’, ‘Inês da Minha Alma’ ou ‘Eva Luna’. 

Do livro ‘Afrodite.
Histórias, Receitas e Outros Afrodisíacos’, trad. Cristina Rodriguez e Artur Guerra , ed. Difel
"(...) Encontrei, por exemplo, um encantamento para prender o amante fugidio, ainda praticado nalgumas zonas rurais da Grã-Bretanha. A mulher amassa farinha, água e manteiga, salpica a mistura com saliva, depois coloca-a entre as pernas para lhe dar a forma e o sabor das suas partes secretas, mete-a no forno e oferece este pão ao objeto do seu desejo.

Antigamente misturavam-se beberagens de sangue – com frequência ‘elixir rubens’ ou sangue menstrual – e outros fluidos do corpo, fermentados na concavidade de uma caveira ao luar. Se o crânio pertencesse a um criminoso morto no patíbulo, tanto melhor. Existe uma variedade surpreendente de afrodisíacos deste tipo, mas aqui concentramo-nos naqueles que podem ter origem numa mente e cozinha normais.(...)

Se não tivéssemos tantos preconceitos e inibições, o odor humano no seu estado natural (…) seria vendido engarrafado, da mesma forma que tentam fazer com as feromonas.

Quem teve a ideia dos desodorizantes vaginais? É tão disparatada como pretender que os camarões cheirem a lavanda e os cogumelos a incenso. Não foi certamente Napoleão Bonaparte, que pedia nas suas cartas a Josefina que não lavasse as partes íntimas nas semanas anteriores ao seu regresso do campo de batalha. (…) O sabor associa-se à sexualidade muito mais do que aquilo que os puritanos desejariam.

A pele, as dobras do corpo e as secreções têm sabores fortes e definidos, tão pessoais como o odor. Sabemos pouco acerca deles, porque perdemos o hábito de nos lambermos e cheirarmos uns aos outros. Ainda me lembro do sabor a pastilha, tabaco e cerveja do meu primeiro beijo, há exatamente quarenta anos, apesar de me ter esquecido completamente da cara do marinheiro americano que me beijou.

O sentido do paladar cultiva-se, da mesma forma como se cultiva o ouvido para o jazz: livre de preconceitos (…)

A bela e frívola Paulina Bonaparte foi mandada pelo irmão Napoleão num dissimulado exílio para Santo Domingo a fim de silenciar os boatos da sua escandalosa conduta em Paris. Na ilha, o calor, a distância e o aborrecimento exacerbaram os seus sentidos e, procurando alívio para a luxúria e o desgosto, ganhou o gosto pelos homens negros.

Esta mulher de pouca saúde, histérica e mimada, que tomava banho em leite, dormia grande parte do dia e passava o resto do tempo ocupada com o seu vestuário e a sua beleza, costumava fugir de noite e rebolar-se com escravos em cubículos imundos e comer das suas bocas entre beijos e mordiscos a rude comida dos pobres, enquanto na sala de jantar do seu palácio o general Leclerc, marido cornudo e complacente, saboreava a requintada cozinha e os melhores vinhos de França.

Paulina regressou à Europa com quatro escravas africanas e um negro bonito e robusto que todas as manhãs a transportava ao colo nua até à banheira e lhe dava o pequeno almoço: ostras frescas e champanhe. As ostras são as rainhas da cozinha afrodisíaca, protagonistas de todos os jantares eróticos registados pela literatura ou pelo cinema. (…)".

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)