Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
2

Lá vão os noivos do Bairro Alto

Paulo já marchou no Santo António pelo Bairro Alto. Sara, que veio de outro concelho, também já chama casa ao bairro
Vanessa Fidalgo 15 de Maio de 2016 às 09:17
Paulo e Sara conheceram-se no trabalho
Paulo e Sara conheceram-se no trabalho
Paulo e Sara costumavam cruzar-se diariamente nos corredores do escritório onde ela era contabilista e ele trabalhava como eletricista, até que o cupido também picou o ponto e encarregou-se de os juntar.
"Senti qualquer coisa por ela desde a primeira vez que a vi. Depois, fui convidando a Sara para tomar um cafézinho, para dar um passeio... umas vezes ela dizia que sim, outras vezes dizia que não... até que por fim lá a conquistei", conta a rir Paulo. Sara confirma que lhe fez a vida difícil : "faz parte de ser mulher!", acredita.
Desde então, tornaram-se inseparáveis e atribuem a cumplicidade à coincidência astrológica. "Somos ambos do signo escorpião", justifica Sara: "se calhar é por isso que temos tanta coisa em comum e que nos entendemos tão bem".

Nem tudo são rosas
O jovem casal sabe que nem tudo serão rosas no casamento, mas não tem dúvidas de que "o bom humor" que os caracteriza vai ajudar a que fiquem juntos por muitos e longos anos, de preferência, com filhos e muitos netos. "Gostávamos de ter um casalinho. Se calhar já para o ano. E na velhice vemo-nos rodeados de netos, até porque contamos que os filhos sejam mais despachados que os pais", brincam.
Mas para o futuro também há outro planos, que passam pelo amor que ambos sentem pela cidade de Lisboa.
Paulo, nascido e criado no Bairro Alto, até já foi marchante em dia de Santo António. Sara, veio de Mafra para a capital, mas já se sente em casa nas ruas estreitas do bairro que escolheram para morar. "Sinto-me uma boa filha adotiva do Bairro Alto e até gostava de um dia marchar também na avenida!", confessa a noiva, que escolheu o miradouro de São Pedro de Alcântara para falar da boda. "É um dos sítios mais bonitos de Lisboa e desde o início do namoro que costumamos vir para aqui. É muito especial para nós", afirma Paulo com o Castelo de São Jorge e o Rio Tejo em pano de fundo. Por isso, para Paulo, casar pelo Santo António era quase obrigatório, uma tradição que carrega desde a infância. Para Sara, o concretizar do desejo do seu amor. O destino fez-lhes a vontade, para começarem já a ser felizes para sempre.
Santo António
Ver comentários