Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
9

Lírios brancos

A biografia da Tia Benedita é simples. Morreu quando a idade sobrava na sua contabilidade pessoal e deve ter partido feliz ou, pelo menos, tranquila. A minha sobrinha Maria Luísa achou, durante muito tempo, que o ‘miguelismo’ da matriarca da família a tornava imprópria como figura familiar recomendável num tempo em que só se é miguelista por herança. A pátria satisfaz-se muito com esse retrato a preto e branco onde há vencedores e vencidos e onde toda a glória cabe aos primeiros. Para os segundos, os vencidos – o esquecimento e a desonra. E, sobretudo, o silêncio.
António Sousa Homem 26 de Outubro de 2008 às 00:00
Lírios brancos
Lírios brancos

Daqui, do Outono de Moledo, vejo-a ainda sentada – como uma velha senhora, elegante e severa – à beira dos seus lírios, no jardim de Ponte de Lima, banhada pela luz de Outubro e por uma música que ela decerto não ouviria, avessa que era às coisas demasiado profanas. É precisamente o seu anti-romantismo que faz da Tia Benedita uma personagem de romance, daquelas que entraria pela porta principal de ‘O Monte dos Vendavais’ ou de ‘Orgulho e Preconceito’ e figuraria na mais nobre das suas galerias.

Havia nela, justamente, a nobreza das grandes personagens atormentadas pela bondade que não conseguiam transmitir. Essa timidez acompanhou-a até ao fim, mas poucos a entenderam. Desde então – a morte da Tia Benedita, ainda nos anos sessenta, é um marco essencial na vida da família – que os Homem se entregaram ‘aos tempos modernos’, libertos que ficaram dessa memória da pátria do Antigo Regime, anterior à Concessão de Évora Monte e à reforma da ‘ortographya’. Maria Luísa redescobriu-a, como figura tutelar da família, quando – abstraindo-se do ‘miguelismo’ – se deu conta do carácter heróico da sua resistência aos ‘tempos modernos’, justamente. A Tia Benedita escolheu o caminho mais difícil, o mais inusitado, o mais reservado para a glória e a aceitação. O velho Doutor Homem, meu pai, desculpava-lhe todos os excessos, tirando o gosto da senhora pelos lírios brancos, que ele achava um despropósito pouco consentâneo com a paisagem de Ponte de Lima, verdejante e pincelada de ruínas. Bem vistas as coisas, não eram apenas os lírios que estavam desajustados com a paisagem – o mundo também não se adequava muito às derradeiras manias da Tia Benedita. Mas foi uma corajosa resistente, até ao fim.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)