Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
8

Notas de um país polido

A primeira menção escrita à Lituânia remonta a 1009 a.C., embora os registos de maior relevância apareçam somente no período da ‘era dourada’, entre 1390 e 1430, quando o reino lituano estendia a sua influência até ao Mar Negro. A história dos países bálticos é, contudo, a de uma sucessão de domínios – sueco, polaco, alemão, russo – que terminou apenas, no caso lituano, a 11 de Março de 1990. Das três repúblicas bálticas esta é a que menos correu atrás da eufórica caravana da vanguarda capitalista que se pronunciou após o desmantelamento do bloco de Leste.
22 de Outubro de 2006 às 00:00
Ao contrário das irmãs Estónia e Letónia, a Lituânia mantém a sobriedade sem o deslumbramento por tudo o que é novo. Agnés, 23 anos, finalista de Direito e recepcionista de hotel em ‘part-time’, tem o argumento para a maturidade do seu povo: “A primeira coisa de que nos quisemos livrar foi de domínios estrangeiros. Há coisa pior do que vender o país a retalho?”A maioria dos jovens lituanos é capaz de arregalar os olhos ao modelo de virtudes italiano, isto é, um corte de cabelo retro à Borsalino, um guarda-roupa Armani e um popó Ferrari, mas as fantasias novas-ricas ficam-se por aqui. Há, de resto, uma procura metódica de criativos nacionais, como a estilista Ausra Paliuliené, cujos drapeados e botins estão entre as peças mais cobiçadas da cidade, ou Ramuné Piekautaité, uma devota de Catherine D. e Coco Chanel que faz furor entre as babuskas.
O MacDonald’s perde aos pontos com as tavernas de batata a murro. A Zara abrirá a sua primeira loja 15 anos depois de tombada a cortina. A Lituânia não perdeu o comboio. Quis apenas um lugar na melhor carruagem e sem a velocidade do TGV. Como diz Agnés, “não corremos tão depressa atrás da riqueza como as outras repúblicas bálticas, mas isso não nos deixou mais atrasados. Modéstia à parte, temos personalidade, valores próprios e capacidade para receber.”
Depois deste tratado sociológico, nem ocorre outro pensamento. Vilnius, a capital, reúne todas as facetas que agradarão a um viajante interessado em cidades com um pé no passado (e sem joanetes) e outro no abecedário futurista. Entre as inúmeras razões do nosso contentamento, há a destacar a arquitectura que se sobrepôs no tempo com harmonia e faz desta uma cidade boa de se viver, evoluída na conta, peso e medida, sem ofensas para as pupilas e abençoada pelo bom senso dos seus governantes. Os conotativos possíveis: limpa, organizada, pequena, plana, pacífica, culta, educada, vaidosa, orgulhosa... Há um estilo medieval barroco – que tem o seu essencial no perímetro da cidade antiga, património da UNESCO –, alguns vestígios monolíticos do colonato soviético, sobretudo nos dormitórios dos arredores, e a cidade moderna que se divisa na outra margem do rio, longe dos domínios históricos e dos terrenos de habitação, onde florescem os arranha-céus, os escritórios, os hotéis de trânsito e as grandes superfícies comerciais.
Ou seja, cada galho com o seu macaco. Quanto a lugares para confraternizar, o mais cobiçado é o café Literatai, um edifício ‘art-nouveau’ virado para a Catedral, que junto com o Mosteiro de Santana e a igreja ortodoxa são o melhor do património de Vilnius. O Literatai serve em igual e generosa medida as funções gastronómica – vocacionado para o salmão teriyaki, a truta e o gaspacho – e de tertúlia intelectual. De resto, a cidade é um pequeno mundo barroco a descobrir, em particular as ruas e vielas do centro histórico, cujos prédios de antanho levaram meticuloso restauro. Nestes domínios do brio da arquitectura, espanta a rapidez entre a queda da cortina e a mobilização do operariado. Talvez uma das heranças felizes do patriarcado dos povos, ou apenas uma questão de feitio.
VILNIUS
País: Lituânia
Idioma: Lituano
Moeda: Litas
Quando ir: Os meses de Verão são mais amenos, mas todo o ano cativa
GUIA DO VIAJANTE
COMO IR?
A British Airways (Tel. 808 200 125) tem voos diários para Helsínquia, via Londres. Daqui pode seguir para Vilnius com a Finnair. Tarifas a partir dos 610 €.
ONDE COMER?
- Literatai
Gedimino, 1
25 €
- Baltasis Stratis
Pilies, 26
10 €
- Restaurante Cozy
Dominikou Lela, 10
Tel.: 261 1137
20 €
- Café Kristupo
Hotel Narutis, Pilies Lela, 24
Tel.: 212 2894
15 €
- Avilys
Gedimino Lela, 5
Tel.: 212 1900
20 €
ONDE DORMIR?
- Stiklia
Gaono, 7
Tel.: 00 370 264 9595
www.stikliaihotel.lt
Duplos a partir de 200 €
- Shakespeare Bernardinu, 8
Tel.: 00 370 5266 5885
Duplos a partir de 130 €
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)