Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
9

O fim das greves

Zé dos Pneus conclui que, se o deixam à solta, Passos Coelho ainda consegue acabar de vez com as greves...
Victor Bandarra 18 de Novembro de 2012 às 15:00
Victor Bandarra
Victor Bandarra FOTO: João Miguel Rodrigues

O meu amigo Zé dos Pneus, sócio-gerente e patrão contestatário, alinhou na greve da CGTP, de meia UGT e de boa parte dos assalariados europeus. Os quatro empregados da oficina bem o tentaram convencer a recuar na loucura de fechar o estaminé, mas o Zé insistiu: "É ponto de honra! E não me chamem comunista!" Os quatro explicaram ao chefe que era luxo excessivo fazerem greve. O Zé sossegou as hostes: "Não se preocupem! Venho cá abrir a oficina e depois vou tratar do BI caducado."

E assim começa um dia memorável. Em Oeiras, a estação de serviço fechou por falta de combustível e o Zé vê-se aflito para chegar à bomba mais próxima. Nas Laranjeiras, a Loja do Cidadão funciona a meio gás mas, com tanto utente em casa, ainda consegue meter os papéis. Ao almoço, a clássica tasca de Queijas está praticamente às moscas. O patrão já despediu cozinheira e empregado de mesa – pôs a mulher na cozinha e o filho engenheiro atrás do balcão. Na mesa ao lado, um administrador de empresa, cara de lua besuntada de azeite, ri-se que nem alarve: "Lá na fábrica temos 70 por centro de adesões. Já poupamos um dinheirão em ordenados..."

À frente das caras de bacalhau, o Zé lembra-se dos dois turistas alemães com cara de pau, cada um em sua bicicleta, que o foram chatear por um furo no dia da visita de Merkel. Pagaram com nota de 20 euros e, ostensivos, deixaram 14 de gorjeta. O Zé desconfiou das mochilas pesadonas, aposta que eram tipos da segurança disfarçados. "Já nem confiam nos nossos polícias..." E arranca para acalorada dissertação sobre bancos vandalizados em Matosinhos e tumultos entre PSP e piquetes de greve.

Segue-se estrondoso palavrão sobre a frase delirante de Passos ("não podemos culpar o remédio pelo estado do doente") e suspiro fundo ao citar a crua manchete do ‘Jornal de Angola’: "Há fome em Portugal." Anima-se depois com a picante biografia da senhora Merkel – filha de pastor luterano, sem filhos, formada em Física, Merkel do primeiro marido, também físico, e agora casada com um químico. "Temos que lhe falar da química e do físico dos portugueses..."

Ao fim do dia, esgotado de tanta emoção, o meu amigo Zé grevista fecha a oficina. Pensativo, conclui que, se o deixam à solta, Passos Coelho ainda consegue acabar de vez com as greves – põe todos os portugueses no desemprego.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)