Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
8

O Inferno somos nós, o Paraíso também

Recentemente, um concurso em que participaram milhares de todo o globo, publicitava-se sob o mote: 'O melhor emprego do mundo'. Que trabalho era esse? Viver numa ilha deserta. Longe do inferno da metrópole. Aliás, que faz a maioria dos seus habitantes? Esfalfa-se 11 meses para se evadir nas férias para paraísos perdidos.
Joana Amaral Dias 12 de Julho de 2009 às 00:00
O Inferno somos nós, o Paraíso também
O Inferno somos nós, o Paraíso também

Não seria mais fácil viver nesses locais idílicos, evitando o stress de amealhar para umas semanas sem horários, trânsito e poluição? Em ‘Home’, uma família vive essa utopia do western: uma casa na pradaria, a vila a uma distância razoável. Férias todo o ano. Mas fá-lo porque tem certos traços: isolada, as suas fronteiras com o exterior são um compacto muro. Já as fronteiras internas são muito porosas. A nudez entre os elementos da família, por exemplo, é constante. E é nesta dinâmica que encontraram um equilíbrio.

Quando chega a cortante auto-estrada – a poluição, o ruído, o stress, a hipocondria, o colapso – revive-se a ameaça do cavalo-de-ferro que assolou o faroeste. Do western passa-se à paranóia. A surrealidade coreográfica é substituída pela surrealidade demente dos barricados. O filme muda de género e de banda sonora. Na exacta medida em que a própria família se transforma. Afinal, perante a alteração de circunstâncias, ou morrem ou se adaptam. Há quem, habituado a alienar-se, fuja. Há quem, acostumado a centrar-se no problema e não na solução, se desmorone. Mas a família, como conjunto, apenas repete o que conhece, blindando as fronteiras com o 'lá fora', enquanto aprofunda a sua dissolução interna. Só quando encontram uma estratégia colectiva e não apenas individual, descobrem o caminho. E não é pela auto-estrada.

Metáfora ou não de uma sociedade aprisionada em escolhas individuais irracionais (afinal, quem gosta mesmo do tubo de escape?), sem soluções colectivas alternativas, ‘Home’ remete para a urgência de repensar esta civilização.

Ver comentários