Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM

O outro lado da diva da Pop

Sim, ela é a “miúda materialista” que vive “num Mundo materialista” e diz sentir-se ‘como uma virgem’, mesmo se assume uma atitude sexualmente dominadora. Provocadora em toda a linha, simula crucificar-se em palco e confessa-se na pista de dança.
18 de Março de 2007 às 00:00
Ela é Madonna Louise Veronica Ciccone Ritchie ou simplesmente Madonna. Embora conhecida principalmente como rainha da pop, é uma mulher de sete ofícios: actriz, estilista e escritora de livros infantis. Já são cinco.
“Por que não escreves livros para crianças e compartilhas a sabedoria que adquiriste como adulta?”, perguntou-lhe um dia o professor de Cabala, vertente mística do Judaísmo, de que Madonna é adepta. Na altura, ela considerou a ideia “meio maluca”, mas, após reflexão, concluiu que seria “um bom desafio”, como afirmou em entrevista à ‘Publishers Weekly Daily’.
‘English Roses’ [‘Rosas Inglesas’] é o título da primeira história escrita pela diva. Inspirou-se na filha Lourdes Maria. “Ela frequenta uma escola francesa em Londres. Estuda com um grupo de meninas a que os professoras chamam ‘rosas inglesas’.” Está explicado.
O livro conta a história de quatro amigas, invejosas da beleza de uma colega de classe. Moral: não devemos julgar os outros pela aparência.
“Cada um dos cinco livros está relacionado com maneiras de nos desligarmos de Deus”, explicou a autora, certa de que “existe apenas uma força de vida em todo o Universo e quando nos separamos dela trazemos o caos e o sofrimento para as nossas vidas”.
Se as ‘rosas inglesas’ julgam pelas aparências, o senhor ‘Pipas de Massa’, título de um outro livro, embora muito rico, não é feliz. Madonna há-de saber do que fala ou melhor acerca do que escreve – afinal é a mulher que mais dinheiro ganha no mundo da música. “Não faço isto [livros para crianças] para ficar mais rica ou mais famosa.”
MILIONÁRIA E CÉLEBRE
Milionária e célebre já ela era antes. Isso ajudou-a a lançar-se como escritora: “Tenho um público, as pessoas sabem quem eu sou e prestam atenção ao que eu digo e faço.”
Mas é também por se ter prestado atenção ao que Madonna disse e fez nos últimos anos que não pode evitar-se perguntar-lhe o que tem o mundo da música pop a ver com a literatura infantil. “No fim de contas eu sou mãe [dois filhos naturais e um adoptado]. Quem melhor poderia escrever livros para crianças?”
Madonna não se importa demais com o que dizem as pessoas. Faz o que lhe apetece. E não vê contradição entre apetecer-lhe não só posar mas escrever explicitamente sobre sexo, como fez no livro ‘Sex Book’, e depois histórias infantis. Madonna remete ‘Sex Book’ para “outra época” da sua vida, de que não se arrepende. “Por que devia arrepender-me de alguma coisa que eu já fiz? Se não tivesse feito tudo o que fiz não seria quem sou hoje.” E não se fica por aqui: “Tirei a roupa em algumas fotos. Isso é moda hoje em dia.”
Mas, quando lhe perguntam o que maior satisfação lhe causou, considerando tudo o que fez em termos criativos, não hesita: escrever para crianças. Principalmente para as desobedientes, a quem dedica um dos seus livros. “Mesmo as pessoas mais desobedientes têm o poder da fazer algo bom para o Mundo e de oferecer-lhe algo bom.” Madonna não só admite que os filhos dela – Lourdes, Rocco e David – nem sempre lhe obedecem, como afirma ser ela própria “a criança desobediente número um”.
O mais compensador de tudo, afirma, é quando as pessoas se aproximam para dizer-lhe que os livros, que ela escreveu, tiveram influência nas suas vidas. “Tenho uma amiga psicoterapeuta que trabalha com muitas crianças e adolescentes que sofreram abusos.
Ela usa os livros durante os processos terapêuticos. Isso para mim é muito gratificante.” Madonna gosta de contar ter recebido uma carta de uma criança negligenciada pelos pais. “Ela disse-me que ‘English Roses’ [‘Rosas Inglesas’] passou a ser a bíblia dela. Que o livro a tem ajudado em momentos complicados. Este tipo de responsabilidade leva-me a pensar que estou a fazer alguma coisa certa.”
Os cinco livros da cantora vão ser distribuídos a partir de amanhã, e nas segundas-feiras seguintes, com este jornal por um preço unitário de 5,9 euros. Serão apenas os primeiros de uma colecção intitulada ‘Livros Infantis dos Famosos’.
PINTOR PORTUGUÊS A VIVER EM ITÁLIA ILUSTROU UM DOS LIVROS DE MADONNA
Rui Paes é português e ilustrou ‘Pipas de Massa’, um dos cinco livros infantis escritos por Madonna (que passam a acompanhar a edição de segunda-feira do jornal Correio da Manhã por apenas mais 5,90 euros).
Até ao momento em que foi escolhido pela cantora, o pintor, a viver em Itália, tinha apenas ilustrado, aos 18 anos, um livro de contos assinado pela mãe, Glória Santana. Para criar o ambiente, barroco, onde se movimenta o rico e amargurado ‘Pipas’, Rui Paes inspirou-se na cidade de Siena e na arquitectura de Génova.
Ver comentários