Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
6

O pai mais horrível do mundo

Quando há cerca de dois anos resolvi atrever-me a escrever livros para crianças tinha várias ideias na cabeça, e decidi concretizar três delas praticamente em simultâneo, porque achei que fazia todo o sentido dedicar um livro a cada um dos meus filhos.
17 de Março de 2013 às 15:00
João Miguel Tavares, os homens precisam de mimo, Gui
João Miguel Tavares, os homens precisam de mimo, Gui FOTO: José Carlos Fernandes

Entretanto, a minha capacidade reprodutiva mostrou-se superior à minha produção literária, o que significa que já levo um livro de atraso (a Rita ainda aguarda vez, coitada). Mas nem por isso esta semana deixa de ser um marco: com o lançamento de ‘O Pai Mais Horrível do Mundo’, não só fica completa a minha trilogia inicial, como consegui pôr um filho a levitar pela casa, tão inchado de orgulho ele está.

É que este livro é bastante diferente dos outros dois. O primeiro, ‘A Crise Explicada às Crianças’, é dedicado ao Tomás, mas é um falso livro infantil, com um lado de sátira ao estado atual do país que só os adultos apanham e que exige dos pais uma leitura acompanhada. O segundo, ‘Uma Baleia no Quarto’, é dedicado à Carolina e inspirado numa história que inventei em noite de insónias: uma menina birrenta chora tanto que as lágrimas vão subindo no seu quarto até começarem a aparecer animais marinhos. Este livro já é mais próximo da nossa realidade, pois a Carolina teve, de facto, uma fase muito difícil quando era pequena. Só que hoje em dia é uma rijíssima lutadora de taekwondo e, quando ‘Uma Baleia no Quarto’ lhe chegou às mãos, irritou-se à brava por o livro traçar dela uma imagem de menina-chorona, na qual já não se revê minimamente.

O que ‘O Pai Mais Horrível do Mundo’ tem de especial é que não é bem uma história inventada, nem sequer um livro sobre o Gui – ‘O Pai Mais Horrível do Mundo’ é o Gui, na medida em que um menino de carne e osso pode ser vertido em papel. O livro tem uma mecânica muito simples: uma criança (o Gui, claro) protesta por o seu pai estar sempre a corrigi-lo, chateá-lo, castigá-lo, a embirrar com ele e a não o deixar fazer o que quer. É o pai mais horrível do mundo, pois claro – mas também o melhor, porque é o seu. E é absolutamente espantoso como o Gui sente que aquele retrato lhe faz justiça. A um ponto tal que já se assume como coautor do livro. Nos autógrafos à família, ele senta-se ao meu lado e, depois de eu escrever algumas palavras, faz um pequeno desenho e assina por baixo: "Gui." Concentrado e profissional, como um verdadeiro escritor.

João Miguel Tavares os homens precisam de mimo Gui
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)