Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
2

Óculos feitos em 3D

Empresa de Viseu cria peças customizadas, ao gosto de cada um e compradas pela internet
João Ferreira e Suely Costa 6 de Maio de 2018 às 12:43
Empresa Mood Optic, de Viseu, cria óculos com tecnologia 3D
Empresa Mood Optic, de Viseu, cria óculos com tecnologia 3D
Empresa Mood Optic, de Viseu, cria óculos com tecnologia 3D
Empresa Mood Optic, de Viseu, cria óculos com tecnologia 3D
Empresa Mood Optic, de Viseu, cria óculos com tecnologia 3D
Empresa Mood Optic, de Viseu, cria óculos com tecnologia 3D
Empresa Mood Optic, de Viseu, cria óculos com tecnologia 3D
Empresa Mood Optic, de Viseu, cria óculos com tecnologia 3D
Empresa Mood Optic, de Viseu, cria óculos com tecnologia 3D

Em poucas horas, através de um simples clique, os óculos feitos à medida estão prontos para serem enviados para casa do cliente. É graças a impressoras 3D, adquiridas com o financiamento de cerca de 300 mil euros do Programa 2020 da Comissão Europeia, que a loja online MoodOptic vende, a partir de Viseu, armações de óculos graduados e de sol personalizados para seis países da Europa.

As máquinas têm capacidade para produzir peças customizadas, nas quais o cliente até pode escrever nos óculos, mas também "consegue produzir em série, oito a nove peças de uma só vez", relata Nuno Cabral da MoodOptic. Sendo uma loja online, e tendo presente que apenas 10 a 12 por cento dos clientes compram na internet, a ótica apostou nesta tecnologia para se afirmar no mercado. As compras online são mais cómodas, mas têm um senão que passa por não se poder experimentar o que está a comprar. Para resolver esta questão, esta empresa está a trabalhar em torres digitais com um sistema ‘try on’ com o qual, virtualmente, o cliente experimenta os óculos e se gostar pode mandar produzi-los.

O responsável pela loja online acredita que este projeto também se enquadra no programa da Comissão Europeia que apoia a inovação de pequenas e médias empresas, por isso espera voltar a conseguir financiamento, desta vez na ordem dos dois milhões de euros.

Se a candidatura for aceite esta empresa da zona centro do País beneficiará, mais uma vez, de uma parte dos 25 milhões de euros que Portugal espera receber até 2020. O programa pretende estimular o desenvolvimento económico e social das regiões do continente e ilhas.

Sociedade Bit
Por Reginaldo Rodrigues de Almeida

Portugal a 100 por cento

"Portugal é Lisboa e o resto é paisagem", expressão muito conhecida (imprecisa nesta redação por adulteração popular) que pretensamente se quer atribuir a Ega, personagem do romance ‘Os Maias’, criado pela notabilíssima escrita de Eça de Queiroz e que, num determinado contexto, tentava demonstrar o grau de interioridade do país, para lá da capital, onde tudo de relevante e de inovador acontecia. Incompreensivelmente, esta expressão parece ainda toldar a convicção de alguns, felizmente cada vez menos e, caso para dizer, distraídos!

De facto, neste momento o desenvolvimento transversal de muitas das matrizes de I&D, que anima a cultura científica nacional, está disseminado por toda a parte, independentemente da latitude regional, muito dependente de onde existir estratégia empresarial, capacidade de inovação e de empreendedorismo.

Seja no aeroporto de Lisboa, seja no do Porto mas também em muitos dos aeródromos regionais, dezenas são as PME e até patentes individuais que diariamente rumam às mais diferentes capitais de indústria e de tecnologia europeias para mostrar o melhor que por cá se faz. Cumpre aos poderes públicos e aos interesses privados conjugarem esforços para que essa realidade seja cada vez maior e que Portugal não corra o risco de ser só uma "paisagem de sol, serra e mar" com muitos turistas à mistura…

Lisboa Programa Viseu Nuno Cabral da MoodOptic
Ver comentários