Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
7

Os grandes lilases de Ponte de Lima

O velho Doutor Homem, meu pai, não tinha receio do mês de Abril, embora citasse o poeta de ‘The Waste Land’ nos primeiros versos do famoso poema: "Abril é o mês mais cruel, gerando lilases da terra morta…"
12 de Abril de 2013 às 18:03
Antonio Sousa Homem, em certos aspectos
Antonio Sousa Homem, em certos aspectos

A sua dependência dos autores ingleses era enorme diante daquilo que ele designava como "escola poética herdada do Sr. Leitão da Silva". Evidentemente que havia nisto alguma cegueira e obstinação em simultâneo – a família nunca admitiu albergar nas suas estantes um livro de Garrett (a que insistia em chamar de Leitão da Silva), o que não era verdadeiro porque havia o ‘Frei Luís de Sousa’, que periodicamente o velho causídico ia buscar a uma estante obscura para dar exemplos da fraqueza do génio português do fim do século XIX. A cena dramática de D. João de Portugal transformado em romeiro suscitava-lhe comentários escarninhos e certamente injustos, embora não tanto como alguns versos de Guerra Junqueiro – cujo ‘O Melro’ era geralmente classificado como "um dos piores poemas da história das línguas latinas", outra injustiça notória, porque fazia esquecer ‘A Lua de Londres’, de João de Lemos, com a sua imagem inicial devastadora ("O astro saudoso rompe a custo um plúmbeo céu…"). O meu avô, que privou com Junqueiro na sua Quinta da Batoca, em Barca d’Alva, não lhe ligava. Limitava-se a encolher os ombros e a murmurar qualquer coisa sobre a leviandade de um filho incapaz de reconhecer aquele génio barbudo e soturno.

Antonio Sousa Homem em certos aspectos
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)