Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
5

Os sucessores do ditador Franco

A extrema-direita espanhola pode eleger no próximo domingo deputados nacionais.
Fernando Madaíl 21 de Abril de 2019 às 12:44
Santiago Abascal
Santiago Abascal FOTO: Direitos Reservados
O caudilho Francisco Franco, vencedor da sanguinária Guerra Civil Espanhola (1936-1939) e ditador até 1975, morreu cinco meses antes de nascer Santiago Abascal, o presidente do partido de extrema-direita Vox, que, nas legislativas antecipadas do próximo domingo (dia 28), pode passar a estar representado no Parlamento.

Os votantes do Vox não serão apenas os saudosos de Franco e de Primo de Rivera (ditador entre 1923 e 1930). Nem só os "católico[s] que se identifica[m] muito com a nação espanhola e a sua unidade", como declarou à agência Lusa Jorge Sánchez, professor de Direito da Universidade Europeia. Juntam-se-lhes os desesperados, vítimas da crise económica, que nada têm a perder; os escandalizados com as denúncias de corrupção entre a classe política; os desiludidos com os clássicos socialistas do PSOE (Partido Socialista Operário Espanhol) e conservadores do PP (Partido Popular); os já desapontados com os novos Podemos (esquerda radical) e Ciudadanos (direita liberal), que fizeram desabar a anterior bipolarização.

Fundado por dissidentes do PP – o tradicional grande partido da direita democrática espanhola –, em 17 de dezembro de 2013, insatisfeitos com as medidas do politicamente frágil primeiro-ministro Mariano Rajoy e procurando "captar o voto da direita desencantada com as políticas" do seu anterior partido, surgiu o Vox – mas sem ninguém suspeitar que bastava meia dúzia de anos para conseguir conquistar um grande eleitorado.

Mudar a Espanha
O programa do Vox defende o inverso do que foi o país, pelo menos desde a transição democrática de 1976 até à crise independentista catalã de 2017: contrários ao Estatuto das Autonomias, advogam um Estado centralista; contestando a liberdade de associação, pretendem ilegalizar os partidos independentistas; em vez da via que alargou a CEE (hoje, UE) para 12 países com a Espanha e Portugal, são claramente eurocéticos; divergindo do pioneirismo legislativo em matéria de costumes, querem revogar os diplomas do aborto ou do casamento gay e assumem o seu antifeminismo e um abrandamento das medidas contra a violência doméstica (esse "jihadismo de género"); no lugar do "insustentável" sistema público de pensões, são liberais com um modelo em que metade das contribuições vão para fundos privados; apologistas do franquismo, querem acabar com a Lei da Memória Histórica e contestam a exumação, no Vale dos Caídos, do cadáver do ditador. E, no que se evidencia mais o seu populismo, querem erguer um muro nos enclaves de Ceuta e de Melilha (que, à maneira de Trump, deveria ser pago por Marrocos), além de outras medidas para acabar com as "invasões islamistas" dos que atravessam o Mediterrâneo em embarcações superlotadas.

O sociólogo Santiago Abascal Conde, que nasceu em Bilbau a 14 de abril de 1976, filho de um dirigente histórico do PP basco e neto do franquista autarca da vila de Aláva até ao fim da ditadura (tendo a sua família sido alvo de várias ameaças da ETA), autor de ensaios políticos e militante do PP de 1994 até 2013 – sendo deputado do Parlamento Regional do País Basco entre 2004 e 2009 –, tornou-se secretário-geral do Vox logo na sua fundação e, em setembro de 2014, triunfando nas lutas intestinas, ganhou a presidência, com o apoio de 91% dos militantes. Nessa data, declarou logo que o partido aspirava "conquistar o poder", o mais rapidamente possível, "para transformar Espanha".


Sem elegerem um eurodeputado em 2014 e obtendo resultados irrisórios nas Legislativas de 2015 (0,23%) e de 2016 (0,20%), os populistas de ultra direita deixaram de estar sob o foco dos comentadores. Menosprezaram, talvez, o facto de Abascal ser uma figura muito mediática, pois escreve nos diários ‘ABC’ e ‘La Razón’, no semanário ‘Alba’ e no jornal online ‘Libertad Digital’, colabora com as estações radiofónicas COPE e esRadio, além de ser comentador televisivo nos programas ‘El Gato al Agua’ (no canal Intereconomía) e ‘El Cascabel’ (canal Trece).

Espanto mundial
Até que, no passado dia 2 de dezembro, nas eleições autonómicas para o Parlamento da Andaluzia, o Vox garantiu 12 representantes e uma votação de 11%. "A extrema direita ganha lugares [parlamentares] numa região espanhola pela primeira vez desde Franco", titulava o jornal britânico ‘The Guardian’. O diário italiano ‘La Repubblica’, ao noticiar essa "surpresa", recordava que, até esta altura, "não havia [nenhuma força política relevante] à direita do Partido Popular ou dos liberais Ciudadanos" – mas, "agora, esse partido [da extrema-direita] está aí". Do outro lado do Atlântico, o ‘The New York Times’ classificava este resultado como "a maior mudança" na Andaluzia. E o ‘The Guardian’ alertava que "todos os olhos estarão agora focados no Vox, que poderia usar a Andaluzia como um trampolim" para as eleições deste ano.

Há sondagens que indicam que o Vox pode sentar deputados no parlamento espanhol – e, entre os seus dirigentes, não se esconde que o partido quer mesmo ultrapassar os 10%, a simbólica barreira dos dois dígitos. Mas as opiniões ainda se dividem. A editora-chefe da secção de opinião do ‘El Mundo’, Lucía Mendez, entende que se o PP aguentar o seu eleitorado base, o Vox "acabará por se dissolver", pois os seus candidatos "não são políticos", mas "toureiros [como Morante de la Puebla], militares [pelo menos, quatro generais na reserva] e outras pessoas [como o escritor Fernando Sánchez Dragó ou o padre Salvador Monedero, que têm] no coração uma certa ideia de Espanha".

Tese inversa é a do politólogo Pablo Simón, o professor na Universidade Carlos III que sustentou, numa entrevista ao ‘DN’, que o Vox "é um partido que veio para ficar" e pode vir a ter entre 10% e 15% no próximo domingo. Afinal, a questão será saber se se repetirá o facto de muitos analistas também terem minimizado, quase até ao fim, as probabilidades de sucesso das candidaturas de Trump ou de Bolsonaro.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)