PEDALAR PARA O SUCESSO

Vinte e um anos depois de ter vencido a Volta a Portugal em Bicicleta, Manuel Zeferino coordena uma equipa que domina o ciclismo português. Quem é este homem?
30.08.02
  • partilhe
  • 0
  • +
Quando o dinamarquês Claus Moller cortou a meta do contra-relógio que fechou a 64a edição da Volta a Portugal em Bicicleta, um misto de tristeza e alegria invadiu Manuel Zeferino. Esse turbilhão de sentimentos surgiu na mente do actual director técnico da Maia-Milaneza-MSS devido à comparação dos tempos realizados pelos corredores que disputavam o primeiro lugar do pódio.

Uns míseros cinco segundos separavam o vencedor do segundo classificado, Joan Horrach, que durante oito longos e duros dias tinha vestido a sempre tão cobiçada camisola amarela. Afinal, acabou por “morrer na praia”, fruto de uma estratégia perfeita demais, que levou três ciclistas da formação maiata a fazerem o pleno do pódio, a que se juntaram ainda as vitórias na classificação por pontos, na montanha e na geral por equipas. Para o sucesso ser total faltou apenas o prémio das metas volantes, “roubado” pela Porta da Ravessa-Tavira.

Manuel Zeferino, responsável pelo plano e líder da equipa desde 1993, ter-se-á sentido vitorioso e derrotado ao mesmo tempo, assumindo que os acontecimentos tinham sido originados pelo seu planeamento. “A culpa foi minha, porque dei oportunidades a todos. No contra-relógio comecei a perceber que isto ia acontecer. Estamos contentes pela vitória do Claus Moller, mas emocionei-me muito por causa do Horrach. Preferia que perdesse por um minuto. Por cinco segundos é uma grande frustração”.

MOMENTOS DE GLÓRIA

Após o desabafo, Zeferino, que já o ano passado tinha levado um seu ciclista (Fabian Jeker) ao mais importante título português, fez certamente uma viagem no tempo, até 1981, data em que ganhou o direito a inscrever o seu nome na lista de ilustres vencedores da Volta, onde se destacam figuras como o incontornável Joaquim Agostinho, Marco Chagas e Joaquim Gomes. Nessa altura, vestia a camisola azul e branca do FC Porto, travando grandes e emocionantes etapas com Venceslau Fernandes, que em 1984 de desforrou da derrota infligida por Zeferino três anos antes. Trocaram-se as posições, ganharam os adeptos do ciclismo, que nesse início da década de 80 viram ainda despontar para a ribalta um jovem chamado Marco Chagas, pela primeira vez vencedor da prova em 1982.

Enquanto corredor, Manuel Zeferino destacou-se ainda na Volta ao Alentejo, uma competição de fortes tradições por ele conquistada em 1986, quando a carreira parecia estar a atingir um ponto negativo. Com uma boa dose de persistente e teimosia, duas características que, dizem os mais próximos, ainda se mantêm, o actual “homem do leme” da Milaneza-MSS não baixou os braços e continuou a pedalar. Três anos volvidos, em 1989, movido por essa perseverança conseguiu ainda arrecadar outros prémios: GP Sical, GP Costa Azul e GP Correio da Manhã.

DO LADO DE LÁ

A enorme experiência adquirida como ciclista serviu de base à passagem para o outro lado da competição, e os resultados estão à vista. A equipa das camisolas verdes está entre as melhores do mundo, tendo atingido já este ano o principal patamar da UCI. O próximo passo será, sem dúvida, a passagem para as grandes provas internacionais. Dentro de duas semanas, chega a primeira autêntica prova de fogo, com a realização da Vuelta. Em Espanha, Zeferino terá a difícil tarefa de liderar a única formação portuguesa presente na competição. Muita falta lhe irá fazer o compatriota José Azevedo, que correrá ao serviço da sempre candidata ONCE.

Mesmo quando ainda ninguém sabe dizer ao certo o que vai acontecer nessa competição, o técnico luso enche-se de ambição e promete não ficar por aqui. “O importante agora é fazer uma boa Volta a Espanha e esperar que tanto a Câmara Municipal (da Maia) como os outros patrocinadores continuem a apostar em nós, para em 2004 chegarmos à Volta à França”. Nessa altura, Lance Armstrong já estará bem mais velho. Quem sabe se não será um pupilo de Manuel Zaferino a chegar de amarelo aos Champs-Elyssés.

pub

pub

Ver todos os comentários
Para comentar tem de ser utilizador registado, se já é faça
Caso ainda não o seja, clique no link e registe-se em 30 segundos. Participe, a sua opinião é importante!