Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
2

Sabedoria do copo meio cheio

Há quinze anos sofreu um acidente e ficou paraplégica. teve de reaprender a andar. E a viver. é uma mulher feliz.
25 de Outubro de 2009 às 00:00
“A minha vida não podia ficar presa naquele dia, tinha de avançar”, assinala
“A minha vida não podia ficar presa naquele dia, tinha de avançar”, assinala FOTO: Sérgio Lemos

O voluntariado foi um dos sentidos que encontrou (e onde se encontrou) depois do acidente que a deixou paraplégica. Ajuda de Mãe. Luta contra o cancro. Universidade Sénior. Ludoteca do Hospital Dona Estefânia. Perdeu-lhes a conta. A eles e aos sorrisos que com toda a certeza cativa naqueles de quem se aproxima. Há quinze anos a vida trocou as voltas que Paula Reis dava no ar, como assistente de bordo, e colocou-a numa cadeira de rodas.

Em 1994, com 25 anos, antes de embarcar para Toronto, resolveu apanhar roupa, estendida no 8º andar. Desequilibrou-se e caiu. Em 1994, com 25 anos, teve de reaprender a viver na terra. "A cadeira de rodas é a minha continuidade, os meus sapatos. O que não quer dizer que não me zangue com ela quando tem o pneu furado". Mas é tão raro isso acontecer quantos são os momentos em que se sente injustiçada.

"Claro que na altura perguntei: ‘Porquê a mim?’ mas são questões para as quais nunca vou ter resposta. E a minha vida não podia ficar presa naquele dia, tinha de avançar". Continuou a caminhada, a beber do copo meio cheio, e o percurso plantou-lhe alegria nos dias. Conheceu o marido, Tozé, um ano depois da vida lhe ter dado motivos para chorar. Engravidou do Henrique, há 8 anos, e percebeu porque razão vale sempre esperar por dias melhores. É que há sempre mais água para pôr no copo.

A carta de condução foi outra das conquistas desta mulher que, recentemente, arranjou o primeiro trabalho remunerado desde o acidente. Numa agência que organiza viagens para pessoas com mobilidade reduzida. As pernas não andam, mas nas mãos cabe todo o tempo do mundo.

MARIDO E FILHO SÃO COISAS BOAS DA VIDA

O marido, Tozé, e o filho, Henrique, são duas das coisas boas que a vida deu a Paula Reis. "Quando conheci o Tozé não estava à procura de ninguém, mas mal nos conhecemos, num almoço de um amigo comum, começámos a fazer a corte um ao outro". O Henrique nasceu desse amor. "É o meu mimoquinha, amor pleno, uma dádiva. Para ele sou igual às outras mães. E se for preciso levar seis crianças ao cinema ou organizar uma caça ao tesouro, faço".

PERFIL

Nome: Paula Varela Reis

Idade: 44 anos

Localidade: Miraflores, Lisboa

Ocupação: Na agência de viagens Accessible Portugal

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)