Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
6

SEXO: QUANDO O CALOR APERTA

No Verão, o sexo ganha uma importância ainda maior, com romances fugazes e namoricos a crédito, que raramente ultrapassam o mês de Setembro. Um livro publicado o ano passado põe a nu os hábitos sexuais dos jovens portugueses. Com várias surpresas
12 de Julho de 2002 às 18:40
SEXO: QUANDO O CALOR APERTA
Uma breve passagem pelas livrarias é reveladora da época do ano em que nos encontramos. Além da já tradicional literatura light, as prateleiras estão agora repletas de livros dedicados a um tema comum: o sexo. Há obras para todos os gostos e sensibilidades; com e sem fotos, ilustradas ou simplesmente descritivas, luxuosas ou “humildes”, de grande formato ou de bolso, nacionais ou estrangeiras. Este facto, facilmente comprovado, revela que na chamada “silly season” não há como contornar a questão, o sexo é mesmo um tópico alvo das mais diversas abordagens.

Em Portugal, o tema esbarra quase sempre na ideia de que o calor, o Sol e as praias fazem aumentar, de forma assustadora, a taxa de natalidade, devido a umas quantas relações ocasionais menos precavidas, isto sem contar com o aumento dos números relativos às doenças sexualmente transmissíveis, com destaque para a SIDA, que alguns verdadeiros “tugas” continuam a acreditar ser algo “que só acontece aos outros”.

Sobre o assunto, a Associação para o Planeamento Familiar (APF) editou o ano passado Os Jovens Portugueses e a Sexualidade em Finais do Século XX, um livro da autoria de Nuno Nodin que abre algumas perspectivas sobre a forma como é vivida em Portugal a fase de passagem da adolescência para a idade adulta. O estudo, elaborado através de uma amostra composta por 1402 cidadãos, demonstra alguns apontamentos curiosos.

Em matéria de construção de uma relação estável, por exemplo, as pessoas do Norte ganham face às do Sul, com 79,6 por cento dos inquiridos nortenhos a dizerem ter parceiro fixo. A média desce de forma drástica para os 55,8 por cento do Alentejo e 69,2 do Algarve. Pelos vistos, o calor sempre tem alguma influência, embora toda a gente saiba que a existência de um companheiro fixo não é sinónimo de fidelidade, pois algumas das situações de “facadinhas no matrimónio” acontecem em compromissos tidos como estáveis.

Aventuras fora de casa

Embora não resulte em objecto de qualquer estudo científico, o Verão costuma ser considerado como o período em que se registam mais casos de infidelidade. E os motivos são vários para a fuga à relação. Há sempre quem não passe férias com o companheiro — pela dificuldade em conjugar datas —, quem não resista aos corpos desnudados que invadem o areal das mais diversas praias lusitanas, ou quem, muito simplesmente, decida fugir à rotina sem pensar duas vezes no que vai fazer. Como dizia António Variações: “Quando a cabeça não tem juízo, o corpo é que paga.” O resto dessa inesquecível letra é bem capaz de funcionar enquanto incentivo à libertinagem, não devendo figurar como grande exemplo moral. Mas isso daria outra história.

Entre os inquiridos para o trabalho Os Jovens Portugueses..., cerca de 24 por cento admitem ter parceiros ocasionais. E quanto mais novo se é, maior a tendência para coleccionar “aventuras” amorosas. Como prova disto, cerca de 30,8 por cento admitem ter tido três parceiros em apenas um ano, enquanto 28,2 ficaram--se pelos dois. No entanto, e numa perspectiva menos positiva, 26,5 responderam que durante apenas 12 meses tiveram quatro ou mais, estatística que indica de forma clara que os portugueses preferem relações fugazes, sem base sólida ou grandes responsabilidades.

A juntar aos números que comprovam vivermos num país onde existe um pequeno limbo entre o conservadorismo e o liberalismo, acrescenta- -se, então, um facto preocupante para toda a sociedade. A SIDA e a gravidez não planeada afectam cada vez mais jovens. E se o segundo problema muda para sempre a vida dos progenitores, o primeiro acaba com a existência de qualquer um, pois, por enquanto, ainda não tem cura. O fenómeno tem uma fundamentação palpável e não custa a acreditar que, dentro em breve, os números venham a revelar-se verdadeiramente assustadores. Pelo menos é o que espera um país onde perto de um terço dos jovens continua a afirmar não utilizar, por falta de conhecimentos ou simples inércia, preservativos ou qualquer outro tipo de método contraceptivo. No clima de irresponsabilidade total, dá vontade de gritar: festa sim, inconsciência não!

Aventura numa noite de Verão

Por que não aproveitar o calor que aperta, para fugir à rotina e experimentar uma relação sexual fora de portas, naquele local onde sempre sonhou mas nunca teve coragem de dizer. Aqui fica um guia, nada científico, de alguns locais que poder-lhe-ão despertar a curiosidade. Só lhe pedimos para ter cuidado, nunca se sabe se estará alguém à espreita.

Praia

Não sendo muito original, é o local mais óbvio quando se fala em fazer sexo durante o Verão. Talvez por isso, continua a ser a grande fantasia de todos os que tiram umas mais que merecidas férias nesta altura do ano. Para evitar alguma situação embaraçosa, escolha um local discreto, longe da confusão. A utilização de uma toalha ou peça de roupa para colocar sobre a areia evita infecções e torna o acto mais higiénico, sendo vivamente aconselhável.

Discoteca

O ritmo da música, o calor e os corpos semidesnudados estimulam a líbido de quem não perde a ocasião para numa noite de Verão dar um salto à discoteca da moda. O local não é perfeito para um encontro sexual, mas encostado a uma coluna, e devidamente precavido, qualquer casal pode correr esse risco, até porque o perigo estimula a situação. Se não se sentir capaz disso, nada melhor que ver se as casas de banho do local podem ser uma opção.

Campismo

A comunhão com a natureza é maior entre os adeptos do campismo. Se é o seu caso, sabe do que falamos e por certo já experimentou a situação de ter sexo numa tenda, quando a noite cai e os únicos sons em volta são provocados pelos animais que vivem no mato. É aconselhável fechar bem a tenda, evitando dessa forma os olhares mais curiosos e afoitos. De resto, tente fazer pouco barulho, pois há quem queira descansar.

Transportes

Se vai para o estrangeiro e não leva carro tem oportunidade de experimentar a sensação de fazer sexo num meio de transporte. A casa de banho do avião corresponde às delícias de quem quer ir às nuvens, literalmente, mas o comboio também está bem cotado entre os casais que já passaram pela experiência, até porque é mais confortável e tem movimentos que dão uma enorme ajuda. Caso opte por esta última ideia, tenha cuidado com o revisor.

Motel, jacuzzi e espelhos...

Para os mais "conservadores" ou recatados que são avessos a locais públicos, há hotéis com quartos espelhados e jacuzzi interior (exemplo: Requinte Motel, na Linha de Sintra. Telefone: 21 9156590), que convidam ao romance. Depois é só encomendar o champanhe e tornar o ambiente bem romântico, dando largas à imaginação. Faça uma surpresa à sua mulher, marido, namorado(a), convidando-o para um blind date. De certeza que o seu parceiro(a) não se esquecerá facilmente.

A Guerra dos Sexos

Exclusivo para Homens:

Afinal, o que é que as mulheres querem? Esta é a pergunta que todos os homens colocam. O filme já não é novo, mas ainda há muitos homens que invejam a sorte de Mel Gibson, que devido a um acidente na casa de banho, consegue, no filme ‘O que as Mulheres Querem’, ouvir os pensamentos mais profundos do sexo oposto, que nem sempre são fáceis de compreender. Um dom que facilitaria a comunicação entre homens e mulheres, e que acabaria de vez com a tese Os Homens são de Marte e as Mulheres são de Vénus. Mas enquanto esse dia não chega, o melhor é começar por uma tarefa mais fácil e descobrir o que deve fazer para melhorar a sua relação:

PACIÊNCIA é a palavra chave. Em vez de começar a barafustar quando a sua mais-que--tudo leva duas horas a arranjar-se para ir à praia, experimente ter calma e respirar fundo, antes de responder (pela milésima vez): “A sério, estás gira!” Não se esqueça, as mulheres gostam de serem aparicadas e de elogios. Ficam todas derretidas.

Não fale constantemente de sexo, como se vivesse obcecado por um par de pernas esguias e decotes. Ainda que esteja provado que os homens pensam várias vezes ao longo do dia em sexo, as mulheres vivem noutra estratosfera. Por isso, este é um tema mais apropriado para conversar com os seus amigos.

Não seja apressado. Segundo o autor de Marte e Vénus na Cama, John Gray, a mulher adora que o homem leve tempo a chegar ao objectivo e faz rodeios antes de lá chegar. Ela não gosta que a estimulem nos seus pontos sensíveis, como o homem, mas que a seduzam. A sedução e os preliminares dão-lhe tempo para se relaxar e desinibir. Por isso, acalme "os motores".

Já reparou que as mulheres só ligam aos homens que não lhes dão atenção nenhuma? Aquele rapazinho simpático, que faz tudo pela mulher que ama, sempre disposto a ouvi-la, não desperta curiosidade. Como as mulheres adoram desafios, é nas conquistas mais difíceis que reside todo o encanto. Por isso, aposte numa dose generosa de mistério, que a vai deixar totalmente seduzida.

Se julga que descobriu a mulher certa para um compromisso "mais sério", NUNCA a compare com as anteriores namoradas: “Ao menos, a Luísa não estava sempre com dores de cabeça” ou “ A Marta tentava não chegar atrasada”, são frases desnecessárias que devem ser evitadas... a todo o custo.

Tal como as plantas precisam de água para sobreviver, também as mulheres necessitam de desabafar e contar todas as suas angústias à pessoa que está ao lado delas. Você! A verdade é que nem sempre a ocasião é a mais apropriada, especialmente quando está a dar um jogo de futebol na televisão. Em vez de ignorá-la, que tal ouvi-la até ao fim? Esta medida requer alguma coragem, mas a sua mulher merece! Ou então convide-a para um jantar romântico. É quase certo que os problemas desaparecerão num ápice. Só a sua carteira sofrerá.

Exclusivo para Mulheres:

Aprender a lidar com os homens não é nenhuma “pêra doce”. As revistas femininas tentam ajudar as mulheres, guiando-as neste caminho longo e árduo, mas a verdade é que os homens do século XXI atravessam um período conturbado. Por um lado, confessam que gostam de mulheres independentes, sedutoras e que tomem a iniciativa, mas por outro, continuam “agarrados” à imagem da mulher maternal, delicada e sempre disposta a ajudá-los. Meias perdidas, resta-lhes confiar no grupo de amigas, onde trocam histórias e confidências. Quando até isso falha, resta-lhes algumas comédias românticas, ou os livros da Margarida Rebelo Pinto.

“Estás a pensar em quê?” Uma frase frequentemente utilizada pelas mulheres, que desejam, (a todo o custo), descobrir os segredos mais profundos da mente masculina. Mas porquê insistir numa pergunta que o vai obrigar a mentir? E se ele dissesse a verdade, como é que se sentiria se ouvisse “Estou a pensar no decote daquela rapariga que trabalha comigo”. Como vê, o melhor é deixá- -lo divagar à vontade.

Habituados a tomar conta do “sexo fraco”, os homens têm dificuldade em manter uma relação com uma mulher que ganhe mais ou que ocupe uma posição hierárquica superior à sua. Uma situação delicada, que não tem uma solução fácil. Falar abertamente sobre o assunto seria a melhor opção, mas caso ele não queira admitir o problema, o melhor é comportar-se de forma natural, evitando utilizar o seu cartão de crédito sempre que vão jantar fora ou ao pé dos amigos dele.

A teimosia é uma das principais características do sexo masculino. Além da mania que têm sempre razão, os homens são incapazes de admitir que cometeram um erro. Mesmo que todas as provas indiquem o contrário. Por muito tentador que seja, evite contrariá--lo constantemente. Uma atitude que o vai surpreender, já que o mais normal seria ouvi-la a dar um pequeno sermão.

São muitos os homens que vivem atormentados pelo mistério da roupa interior. Quando começaram a namorar, e passavam o fim-de-semana juntos, tinha sempre o cuidado de vestir aquele conjunto de lingerie irresistível, com a camisa de noite a condizer. Mas à medida que o tempo passa, a roupa interior sensual (muito pouco cómoda, por sinal) dá lugar a uma lingerie sem graça, a precisar de reforma urgente. Já para não falar no pijama de flanela. Se esta situação lhe parece familiar, está na altura de redescobrir o significado da palavra romance.

Tabus Femininos

Frigidez

Um estudo efectuado o ano passado no Brasil, onde o calor desperta uma alta tensão sexual, revela que 35 por cento das mulheres sofre de ausência de desejo. Este acaba mesmo por ser o maior problema do sexo feminino, que evita falar sobre o assunto. O pai da psicanálise, Sigmund Freud, catalogou como “frígidas” as mulheres que não atingem o prazer através da penetração, acrescentando que denotam ser emocionalmente imaturas. As feministas discordam, preferindo culpar o elemento masculino de falta de competência. Freud parece ter ficado em desvantagem face à argumentação, até porque chegou a formular a hipótese de elas terem inveja do pénis. Haverá tese mais bizarra?

Pornografia

Vá lá, confesse, já por uma ou outra vez deu uma espreitadela naquela cassete que ele trouxe sem grandes alaridos do clube de vídeo e escondeu das crianças. Não tenha vergonha, ver filmes pornográficos não é só um acto masculino, nem é crime, embora durante muitos anos as mulheres tenham omitido que o fazem. E tal só não acontece com mais regularidade porque o sexo feminino tem uma maior capacidade para descortinar quando o prazer é, ou não, fingido. Ainda assim, muitos sexólogos revelam que o visionamento dessas películas pode ser um método a adoptar quando existe dificuldade de excitação.

Sexo em grupo

A par do sexo anal, as relações sexuais em grupo costuma ser um dos grandes tabus da população feminina. A provar que este não é um tema fácil para as mulheres, Catherine Millet, uma famosa chefe de redacção revista Art Press, escreveu, em 2001, um livro no qual contava as suas aventuras sexuais em grupo. O resultado foi uma enorme polémica e a constatação de que o assunto continua a causar mal estar. Ainda assim, é inquestionável que se trata de um dos grandes fetiches de ambos os sexos, embora os homens encarem com mais naturalidade a ideia de partilhar a cama com mais do que uma pessoa ao mesmo tempo.

Virgindade

“Estar encalhada”, “ficar para tia”, “não ver o padeiro”. Já alguma vez ouviu tais expressões? São utilizadas para designar as mulheres que nunca tiveram relações sexuais. A verdade é que são formas pouco elegantes de abordar o tema da virgindade. Muitas mulheres têm receio de abordar o assunto, pelo simples facto de acharem vergonhoso ainda não terem tido relações sexuais. O problema toma proporções mais graves à medida que a idade avança, mas pode ser solucionado se pensar que isso não é motivo para embaraços. Afinal, também ainda existe quem defenda que se deve ir virgem para o casamento.

Tabus Masculinos

O Tamanho Conta?

Vá lá, confesse, quantas vezes já se questionou sobre se o seu pénis será pequeno? Terá o tamanho ideal? Não se preocupe, não é o único com dúvidas. Muitos homens vivem apavorados com o tamanho do seu órgão sexual. “Será que vou conseguir satisfazer a minha namorada?” “Serei garanhão suficiente?” Estas são as eternas dúvidas do sexo masculino.

Contudo, não há que ter receio. Como já dizia alguém: “Os grandes amantes fazem-se, não nascem.” A capacidade de ser um bom amante depende, sobretudo da sensibilidade, da imaginação e da capacidade de concretizar. Tudo isto é uma questão de experiência e não de dotes naturais. Além disso, não existe uma medida standard ou ideal. Está provado que o prazer sexual da mulher não depende directamente das medidas do pénis. Há também o mito de que as mulheres gostam mais de homens com órgãos maiores, mas isso é o mesmo que dizer que os homens se sentem mais atraídos por mulheres de seios grandes. Gostos não se discutem.

De salientar que a erecção é praticamente igual em todos os pénis. Os homens, cujo órgão sexual é menor quando flácido, normalmente terão, quando excitados, um aumento maior do que aqueles que possuem um órgão maior quando flácido. Por isso, não há nada a temer.

Ejaculação Precoce

Ser um bom amante não significa passar toda a noite “activo”, como se estivesse a correr a maratona. Mas também não é preciso fazer os 100 metros em apenas nove segundos. Curiosamente, este problema afecta cerca de 50% dos homens sexualmente activos. Ejaculam em menos de um minuto, deixando a parceira insatisfeita ou não conseguindo eles próprios ter qualquer tipo de prazer.

A questão é que a ejaculação precoce raramente é levada a sério pelos homens. Excepto quando a companheira começa a queixar-se, aí sim, o seu “desempenho” na cama está em xeque. As boas notícias é que, ao contrário do que pensava há algumas décadas, os distúrbios psicológicos não são a única causa. Pode haver problemas físicos que expliquem que um homem ejacule em tempo recorde. E em 95% dos casos há solução.

Impotência e Disfunção Eréctil

Quando o homem não consegue uma erecção, o mundo desaba. A sua masculinidade fica em causa, e só de pensar que poderá “falhar” uma segunda vez entra em desespero. Mas uma coisa é “não acertar no alvo” — disfunção eréctil — outra coisa é não ter espermatozóides capazes de engravidar uma mulher - impotência.

No primeiro caso, pode ser um problema temporário, mais ou menos fácil de solucionar. No segundo caso, pode ser definitivo e não haver nada a fazer. Ou não. Contudo, a impotência não afecta a performance sexual do homem. Isso não quer dizer que o seu amor próprio não fique afectado. Muitas vezes os homens confundem estes dois problemas. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. E as formas de os resolver também não.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)