Barra Cofina

Correio da Manhã

Mais CM
1

Viver apenas metade do dia

A pequena holandesa, Isabelle, a namorada do meu sobrinho Pedro, está quase portuguesa: durante as férias de Natal já não contei com ela para me acompanhar na mesa do pequeno-almoço e criticar os outros habitantes da casa por se levantarem tarde demais. Geralmente dividíamos o primeiro dos pratinhos de torradas enquanto falávamos dos maus hábitos dos ausentes: levantar tarde, deitar tarde demais, aproveitar apenas metade do dia. À medida que aprofundou o contacto com os vícios da ‘civilização do sul’, a pequena holandesa (a designação é de Dona Elaine, a providencial governanta deste eremitério de Moledo) foi cedendo ao pernicioso contágio dos seus piores defeitos.
António Sousa Homem 11 de Janeiro de 2009 às 00:00
Viver apenas metade do dia
Viver apenas metade do dia

Creio que tem a ver, sobretudo, com a idade. Na minha adolescência, a luz eléctrica era um luxo e a sua distribuição abundante uma surpreendente raridade. Manter as luzes de casa acesas requeria um prolongamento da nossa existência – que nem sempre vinha, uma vez que era preciso erguer a horas de família laboriosa. Depois das onze da noite, não havia rádio; e (temo bem desiludir os meus sobrinhos-bisnetos) recordo aos mais desatentos que não havia televisão. Poderia haver luz pela noite fora, mas não havia o complexo de objectos, ocupações, distracções e apelos que hoje circulam em casa.

Muitas vezes, na biblioteca (aquele soturno armazém de livros onde habito frequentemente), desligo as luzes e tapo os ouvidos como se pudesse regressar a esse mundo de silêncio em que os vultos desapareciam depois das onze da noite. A minha sobrinha Maria Luísa imita-me nestas circunstâncias, e senta-se junto da penumbra das estantes com o argumento de que a família se vai tornando numerosa; ela nunca aceitou o facto de a pequena holandesa ter sido aceite logo à primeira visita e chegou a mencionar, com alguma perversidade, o facto de na Holanda se fumar bastante haxixe.

Tanto eu como ela apreciamos esse momento dourado do dia, quando a luz se despede e a geada principia a anunciar-se entre a copa das árvores. A essa hora, durante as férias, os ocupantes do andar inferior começavam a ouvir-se a sair das tocas, preparando-se para mais uma noitada depois de terem perdido uma refeição e mais de metade do dia útil. Útil, quero dizer: útil para perceber a mágica luz dos primeiros dias de Janeiro. A vida destas pessoas está a ficar dramaticamente mais curta.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)