Barra Cofina

Correio da Manhã

Domingo
1

O grande paradoxo da arte

A beleza pode salvar-nos a vida; mas as exigências brutais dessa musa insaciável podem derrotar-nos no final
João Pereira Coutinho 23 de Dezembro de 2018 às 09:24
Alexander McQueen definia-se como “um hooligan  com uma agulha nas mãos”
Alexander McQueen definia-se como “um hooligan com uma agulha nas mãos” FOTO: Direitos Reservados

Lee Alexander McQueen era um rapaz do East End londrino, uma parte da cidade sem a elegância e a sofisticação de outros bairros. Mas um talento natural para a moda levou-o para Savile Row, primeiro, e para Itália, depois, como aprendiz do ofício. Quando regressou a Londres, com uma técnica apuradíssima, prosseguiu estudos na St. Martins. O resto, como se costuma dizer, foi história.

É essa história que Ian Bonhôte e Peter Ettedgui nos apresentam em ‘McQueen’, um dos grandes documentários do ano. Recorrendo a vídeos domésticos do próprio criador e a depoimentos dos seus colaboradores, Bonhôte e Ettedgui recriam uma época – a última década do século XX, a primeira do século XXI – para nos apresentarem um artista de génio, que fez da moda uma pessoalíssima questão pessoal, exorcizando os seus demónios em criações sombrias, oníricas, teatrais. "Um hooligan com uma agulha nas mãos", como o próprio se definia, embora talvez fosse mais exacto olhar para McQueen como um surrealista fora do tempo. As sequências em que McQueen, já director artístico da Givenchy em Paris, se entretém a usar generosamente a tesoura em criações solenes de ‘haute couture’ (para horror e assombro dos trabalhadores da casa) é um dos mais impressionantes momentos sobre a natureza selvática e prodigiosa de um artista dominado pela "loucura da arte".

Fatalmente, esta é também uma história de ascensão e queda, sobretudo quando as demenciais exigências da indústria arrastaram McQueen para a velha valsa da depressão e das drogas. A transformação física do criador, para não dizer metafísica (o seu olhar adquiriu uma dureza e ferocidade pungentes), é apenas um prenúncio para o fim trágico. O contexto em que esse fim se dá, e que obviamente não vou revelar, é o testemunho da grandeza e da fragilidade que definiam McQueen como artista.

‘McQueen’, em rigor, não é um documentário sobre moda. É uma reflexão sobre o grande paradoxo da arte. A beleza pode salvar-nos a vida; mas as exigências brutais dessa musa insaciável podem derrotar-nos no final.

LIVRO
Disposição para ser conservador

Verdade: "ser um conservador" não é coisa que se aprenda.

Mas para quem já tem uma disposição para essas águas, Sir Roger Scruton ensina a nadar melhor.

Como?

Recolhendo o que existe de estimável nas ideologias rivais, dispensando o que não interessa.

LIVRO
Uma presença constante na história da humanidade

Sempre gostei das mentalidades fanáticas para quem ‘Deus’ não passa de um anacronismo que a ciência e a técnica acabarão por enterrar. Que Deus, ou pelo menos a ideia de Deus, seja uma das mais constantes presenças na história da humanidade, eis a proposta de Aslan neste ensaio histórico e autobiográfico singular.

LIVRO
Lembrar o básico para discutir as 'fake news'

Todos lamentam a era da pós-verdade. Mas poucos lembram que o assalto começou na contracultura dos ‘sixties’ e no relativismo moral que se tornou dogma nas humanidades. Kakutani, que nunca poupou ninguém enquanto crítica literária do ‘New York Times’, lembra o básico para discutir Trump e as ‘fake news’.

East End Lee Alexander McQueen Peter Ettedgui director Ian Bonhôte
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)