Barra Cofina

Correio da Manhã

Domingo
9

O rasto sem fim de Gainsbourg

Mick Harvey volta à música do francês com um quarto tomo de versões anglófonas das suas canções
8 de Janeiro de 2017 às 18:24
Por Adolfo Luxúria Canibal

Serge Gainsbourg morreu em Março de 1991, com o estatuto de lenda e honras de herói nacional. Mas, para seu grande desgosto, era quase desconhecido no meio da música pop anglo-saxónica, que tanto venerava. O seu nome nada dizia ao público falante de inglês e, com a crescente perda da influência cultural francesa, à generalidade do público internacional. Era apenas relacionado com o hit ‘Je T’Aime… Moi Non Plus’, de 1969, e com escândalos televisivos posteriores. Desde então, no entanto, a sua obra foi ganhando repercussão e conquistando adeptos anglo-saxões.
O braço-direito
Um dos grandes responsáveis pela divulgação da obra de Gainsbourg junto dos anglófonos foi Mick Harvey, que, logo em 1995, editou ‘Intoxicated Man’ exclusivamente com canções de Gainsbourg traduzidas para inglês, dose que repetiu em 1997 com ‘Pink Elephants’. Harvey era então o braço-direito de Nick Cave, uma colaboração que remontava aos primórdios em Melbourne, quando em 1973 formaram um grupo adolescente, só de covers, a que se seguiram os The Boys Next Door (1976), os The Birthday Party (1980) e os Bad Seeds (1983).
Aliás, Nick Cave participa em ‘Pink Elephants’, onde interpreta, com Anita Lane, uma versão de ‘Je T’Aime… Moi Non Plus’ traduzida para ‘I Love You… Nor Do I’.
Os anos passaram. Em 2009 Mick Harvey afasta-se dos Bad Seeds e em 2014 volta a Gainsbourg, com a reedição em CD duplo desses dois discos seminais da sua carreira a solo. À reedição, seguiu-se a digressão, retomada no Verão de 2015 à escala europeia.
Depois, em Junho de 2016, foi editado ‘Delirium Tremens’, um terceiro volume de traduções para inglês das canções do francês e, no final do ano, este ‘Intoxicated Women’, o quarto tomo. Focado nos duetos de Gainsbourg com vozes femininas: Channthy Kak, Xanthe Waite, Sophia Brous, Lyndelle-Jayne Spruyt, Jess Ribeiro e Andrea Schroeder para dar canções cheias de sex-appeal.
Antiga ortografia

LIVRO
O DELICADO E FUGAZ
SOPRO DO INSTANTE
O haiku é um curto poema japonês, de três versos, de uma delicadeza e profundidade vitais, muito relacionado com a filosofia zen. Bashô foi, no século XVII, um dos seus cultores mais fascinantes e estes são os cerca de 1000 haikus que escreveu, devidamente enquadrados e com uma muito cuidada tradução.

Disco
O ESPÍRITO DAS FESTAS
DE GARAGEM
Danny Kroha é já um veterano do garage-blues, depois de anos à frente dos influentes The Gories. Este ‘Bug Out’, assumidamente primitivo, parvo e insano como as velhas festas de garagem adolescentes, é o segundo álbum da sua nova formação, Danny & The Darleans, mais virada para o garage psicadélico.

DVD
VIDA E OBRA
DE JOSÉ MÁRIO BRANCO
Um documentário, rodado ao longo de dez anos, que faz o retrato de José Mário Branco, enquanto homem e enquanto artista, deixando clara a íntima relação existente entre a sua acção política e a sua expressão artística, a partir de uma entrevista central, vários depoimentos e diverso material de arquivo.

Fugir de...
MELHORES DO ANO...

Faz-me impressão o desplante com que se fazem listas. Comparar Capitão Fausto com Gisela João
é o mesmo que comparar alhos com bugalhos. No entanto, para uma conhecida revista musical, um tem o melhor disco nacional do ano e outra o segundo melhor. Como se acha que alho é melhor que bugalho? E desde quando música portuguesa é género musical? Qual a lógica da sua separação? Não terá Capitão Fausto mais
afinidade musical com David Bowie ou Nick Cave – melhores discos internacionais para a mesma revista – do que com Gisela João?
Adolfo Luxúria Canibal Serge Gainsbourg Aime… Moi Non Plus Intoxicated Man Nick Cave
Ver comentários