Barra Cofina

Correio da Manhã

Domingo

Sempre Séneca

‘Cartas a Lucílio’ são um convite para vivermos a vida e, paradoxalmente, para desprezarmos a vida. É um livro a que regresso sempre.
João Pereira Coutinho 24 de Julho de 2016 às 11:27
Jeremy Irons em 'The Man Who Knew Infinity'
Jeremy Irons em 'The Man Who Knew Infinity'
Envelhecemos. Relemos os mesmos livros. Parcialmente, tudo isso é verdade: quando faço a contabilidade dos últimos tempos, vejo que repeti a dose em certos casos. Mas só existe um livro que releio a um ritmo anual. São as ‘Cartas a Lucílio’, de Lúcio Aneu Séneca (4 a.C.? - 65). Já perguntei aos meus neurónios porquê. Eles não souberam responder. Não sou estóico. Pior: sempre considerei o estoicismo uma escola filosófica desumana. Mas as palavras de Séneca atingem- -me com tal força que a única coisa que posso fazer é contemplá-las como o ideal inatingível que são. E de onde vem essa força? Do contraste entre o que ele diz e aquilo em que nos tornámos. Basta ler alguns dos conselhos banais que Séneca envia ao seu discípulo: evita seguir as modas da turba; as deambulações constantes são marca de uma alma doente; não cedas à dispersão. O que diria Séneca da nossa era – uma era que fez do mimetismo pop; do politicamente correcto; da celebração da inconstância; e do ‘multitasking’ (grotesca expressão) a sua melodia essencial? Mas o lado mais perturbante de Séneca está naquela que me parece ser a sua preocupação fundamental: como conservar o controlo da vida quando somos seres temporais por definição, sujeitos à contingência e à mortalidade?
As cartas
Não por acaso, a primeira carta das 124 lida com o tempo. O tempo que nos tomam. O tempo que nos foge. O tempo que desperdiçamos. Penso, logo existo? Naturalmente. Mas existo porque habito o tempo – e o tempo é a única coisa que nos pertence. O que implica a questão seguinte: como habitar virtuosamente esse tempo? A resposta de Séneca é de uma tal brutalidade que não há racionalista moderno que resista: perde a esperança e o medo. No fundo, mutila os dois sentimentos primários da nossa condição – o medo do desconhecido (a velhice, a pobreza, a morte) e a esperança de que o futuro seja a realização do presente que ainda não temos. Teoricamente, é difícil discordar – e uma comparação com a nossa realidade ilustra a sofisticação de Séneca. O homem do século XXI é um ser assustado e ressentido. A intranquilidade da sua alma radica na angústia face ao futuro, um dos motivos pelos quais a saúde se tornou a primeira e a última das nossas preocupações. De igual forma, o ressentimento nasce da consciência da incompletude. Pode ser uma incompletude material – de preferência, quando comparamos o nosso carro com o carro do vizinho; ou uma incompletude simbólica – quando vivemos assombrados pela carreira ou pelo estatuto do mesmo vizinho. Por isso projectamos no futuro – "um dia, quem sabe..." – as esperanças da nossa alma ressentida.
Estas duas atitudes – medo e esperança – são a causa primeira da nossa infelicidade; e da incapacidade de viver o tempo que realmente temos. As cartas de Séneca são um convite para vivermos a vida e, paradoxalmente, desprezarmos a vida. Se o leio é talvez para lhe agradecer o génio. E, depois, para confessar os meus fracassos na qualidade de humano, demasiado humano. 

Editora Gulbenkian
Livro
‘Portugal e o Atlântico’
O Ocidente está em declínio? São incontáveis os tratados (pseudo)filosóficos que já se escreveram sobre o assunto. Karl Popper ensina: fazer previsões sobre o futuro quando desconhecemos as circunstâncias desse futuro é meio caminho andado para o desastre. Bernardo Pires de Lima não cai no erro. Houve uma ascensão brutal da Ásia-Pacífico? Verdade. Mas isso não significa necessariamente o declínio inexorável do Atlântico, a que pertencemos.
Autor Bernardo pires de Lima
Editora FFMS

Filme
‘Amor e Amizade’
Era inevitável que Whit Stillman chegasse a Jane Austen: quem conhece os seus (poucos) filmes anteriores já detecta ali o aroma da erudição e da ironia. Com ‘Amor e Amizade’, Stillman adapta uma novela de Austen (’Lady Susan’) para mostrar aos incréus que as mulheres, em argúcia e perfídia, fazem o que querem do ‘sexo forte’. Homens de todo o mundo, uni-vos!

Autor Whit Stillman
Intérpretes Kate Beckinsale, Chloë Sevigny e Xavier Samuel
Exibição cinemas

Série 'The Knick - 2.ª temporada’
Definitivamente, é a melhor série que vi depois de ‘Breaking Bad’. Nesta segunda e última temporada, Soderbergh continua a oferecer-nos a vida de um hospital nova-iorquino em inícios do século XX – terminando a odisseia sem o moralismo vulgar dos filmes de Hollywood. Nesta vida, nem sempre o bem triunfa sobre o mal, por mais que isso custe aos nossos corações amestrados.

Autor Steven Soderbergh
Interpretação Clive Owen
Exibição TVSéries

Fugir de: 
‘O homem que viu o infinito’
Dizem os marxistas que as condições materiais determinam o destino de um homem. Se assim fosse, Srinivasa Ramanujan nunca teria existido: nascido na Índia (e na pobreza), tornou-se num dos grandes génios da matemática do séc. XX. Infelizmente, Matt Brown apenas nos oferece um ‘biopic’ sem alma – e com um Jeremy Irons, no papel do matemático G.H. Hardy, a ser uma sombra do que já foi.

De Matt Brown
exibição cinemas


Lucílio Lúcio Aneu Séneca questões sociais política
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)