Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais
9

Brasil defende nos BRICS solução pacífica do conflito na Ucrânia

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul expressaram preocupação com recuperação económica e estabilidade internacional.
Lusa 19 de Maio de 2022 às 21:22
Países do BRICS
Países do BRICS FOTO: Getty Images
O Brasil defendeu na reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) a solução pacífica do conflito na Ucrânia e o respeito pelos direitos humanos.

A reunião virtual foi presidida pelo ministro dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Yi, e contou com a presença dos seus homólogos da Rússia, Sergey Lavrov; da África do Sul, Naledi Pandor; do Brasil, Carlos França; e da Índia, Subrahmanyam Jaishankar.

"O Brasil defendeu a solução pacífica e negociada do conflito, clamou pela busca urgente de solução para a crise humanitária e ressaltou a necessidade de respeito ao Direito Internacional e aos princípios da Carta da ONU", frisou, em comunicado, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil.

Na reunião, Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul expressaram ainda preocupação com a recuperação económica e a estabilidade internacional.

Na declaração conjunta, assinada também pela Rússia, pode ler-se que foi discutido as preocupações sobre a situação humanitária dentro e ao redor da Ucrânia e que os países "expressaram apoio aos esforços do Secretário-Geral da ONU, das Agências da ONU e do CICV para fornecer ajuda humanitária".

De acordo com a declaração conjunta, os ministros instaram ao fortalecimento do sistema de controlo de armas, desarmamento e não-proliferação, "incluindo a Convenção sobre a Proibição do Desenvolvimento, Produção e Armazenamento de Armas Bacteriológicas (Biológicas)".

A questão da interrupção de cadeias produtivas e de graves ameaças à segurança alimentar e energética, foram também um tema importante discutido, no qual o Brasil tem mostrado preocupação, desde o início da invasão russa.

o Brasil não apoia as sanções impostas à Rússia, estando mesmo a encetar esforços para que a venda de fertilizantes russos não seja incluída nas sanções.

O Brasil é um dos maiores exportadores do mundo de produtos agrícolas, contudo, depende em mais de 80% de importação de fertilizantes, sendo que cerca de 20% destes provem da Rússia e mais de 10% da Bielorrússia.

A 18 de abril, o Brasil pediu apoio da diretora-geral da Organização Mundial do Comércio (OMC) na defesa de exclusão das sanções internacionais fertilizantes russos e bielorrussos, necessários para o país produzir e exportar alimentos, pedido este que foi anuído.

O Governo brasileiro tem tipo uma abordagem ambigua em relação à Rússia desde que o país lançou a ofensiva militar na Ucrânia.

Por um lado, votou no Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) contra a Rússia numa resolução que condenava as ações de Moscovo.

Por outro, absteve-se da resolução que suspende a Rússia do Conselho de Direitos Humanos devido a alegados crimes de guerra e crimes contra humanidade na Ucrânia.

Dias antes do ataque russo, o Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, reuniu-se com o homólogo russo, Vladimir Putin.

África do Sul Índia Brasil BRICS Rússia Ucrânia Negócios Estrangeiros China Agências da ONU e do CICV
Ver comentários
}