Barra Cofina

Correio da Manhã

Especiais
6

Embaixadores dos 27 já reunidos para aprovar sanções da União Europeia ao regime russo

Discussão arrancou perto das 10h00.
Lusa 25 de Fevereiro de 2022 às 10:41
Bandeira da União Europeia
Bandeira da União Europeia FOTO: Getty Images
Os embaixadores dos Estados-membros junto da União Europeia (UE) estão já reunidos para aprovar o pacote de sanções acordado pelos líderes europeus na madrugada desta sexta-feira, que visa os setores financeiro, energético, transportes, exportações e política de vistos.

Fontes europeias indicaram à agência Lusa que a discussão que arrancou cerca das 10h00 (menos uma hora em Lisboa) é referente à nova lista aprovada pelos chefes de Governo e de Estado da UE esta madrugada, em cimeira europeia extraordinária em Bruxelas, que será à tarde discutida no Conselho de Negócios Estrangeiros extraordinário.

Em causa estão sanções para os setores financeiro, energético, transportes, exportações e de política de vistos, que abrangem por exemplo membros do Conselho de Segurança Nacional russo e responsáveis bielorrussos, bem como o corte a depósitos acima de 100 mil euros em bancos europeus, visando a elite russa, adiantaram as mesmas fontes à Lusa.

Esta madrugada, os chefes de Estado e de Governo da UE chegaram a acordo sobre "sanções em massa" que serão "dolorosas para o regime russo", anunciou o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, em conferência de imprensa.

O primeiro-ministro português, António Costa, disse aos jornalistas portugueses que a União expressou a solidariedade que pode dar à Ucrânia, designadamente com novas sanções maciças a Moscovo, pois "não é uma organização militar".

Também falando à imprensa, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, afirmou que as novas sanções da UE à Rússia, aprovadas esta madrugada, terão "máximo impacto na economia russa e na elite política".

As novas medidas restritivas surgiram menos de um dia após o aval formal a um primeiro pacote, na quarta-feira.

A Rússia lançou na madrugada de quinta-feira uma ofensiva militar em território da Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já provocou pelo menos meia centena de mortos, 10 dos quais civis, em território ucraniano, segundo Kiev.

O Presidente russo, Vladimir Putin, disse que a "operação militar especial" na Ucrânia visa "desmilitarizar e desnazificar" o seu vizinho e que era a única maneira de o país se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário, dependendo dos seus "resultados" e "relevância".

O ataque foi de imediato condenado pela generalidade da comunidade internacional.

Ver comentários
}