Correio da Manhã

Quando Lisboa era palco do terrorismo
Foto Arquivo CM
Foto Arquivo CM
Foto Arquivo CM
Foto Arquivo CM
Foto Arquivo CM
Foto Arquivo CM
Foto Arquivo CM
Foto Arquivo CM
Foto Arquivo CM
Foto Arquivo CM
Por José Carlos Marques | 18:02
  • Partilhe
Atentado à bomba destruiu sedes da Lufthansa e da Air France, em 1982

A ameaça terrorista é, por estes dias, uma presença constante nas sociedades ocidentais. Portugal tem escapado à vaga de atentados que tem feito dezenas de mortos em várias cidades europeias, mas tempos houve que o terrorismo era uma ameaça bem presente.

A 15 de agosto de 1982 a madrugada lisboeta foi sacudida com duas explosões. Em plena Avenida da Liberdade, duas bombas destruíram as delegações das companhias de aviação da Air France e da Lufthansa na capital portuguesa. 

Os danos foram avultados, mas, muito por causa da hora do ataque, não houve vítimas a lamentar.

Na altura, o País vivia dias agitados. A organização terrorista de extrema esquerda FP-25 semeava, desde 1980, o terror por várias regiões do País. Sucediam-se os ataques contra as forças policiais, ataques a grandes empresas e empresários e assaltos a bancos. Em junho de 1982, um comando arménio assassinou em Linda-a-Velha o encarregado de negócios da embaixada da Turquia. Erkut Akbay foi abatido a tiro no interior do seu carro, onde seguia com a mulher.

As explosões de agosto em Lisboa, voltaram a mostrar que o terrorismo estava muito ativo em Portugal. 

PUBLICIDADE
O ano de 1982 marca precisamente o início da Direção Central de Combate ao Banditismo, órgão criado no seio da Polícia Judiciária para combater o terror e que tinha como principal alvo as FP-25.

Foi esta unidade que investigou os atentados da Avenida da Liberdade. Fonte da PJ que na altura pertencia à DCCB conta ao CM que o caso dos atentados de Lisboa nunca ficou totalmente esclarecido. "O ataque foi investigado como tendo sido executado pelas FP-25, mas nunca se chegou a apurar quem, em concreto, executou o ataque.

Em 1983, dois novo ataques voltaram a pôr Portugal no mapa no terrorismo internacional. Issam Sartawi, representante da OLP nos trabalhos do XVI Congresso da Internacional Socialista (IS), que decorria no Algarve, foi abatido a tiro por terroristas ligados à organização extremista palestiniana de Abu Nidal. Issam Sartawi era conselheiro de Yasser Arafat e defendia o diálogo com Israel para uma solução pacífica do problema palestiniano. Coisa que os radicais não toleravam. Foi abatido a tiro no átrio do Hotel Montechoro.

Em Julho aconteceu um novo atentado internacional em solo luso. Um comando arménio tomou de assalto a embaixada da Turquia em Lisboa, tendo morrido os cinco assaltantes, um policia português e a mulher de um diplomata turco. Cercados pela polícia, os assaltantes terão detonado acidentalmente os explosivos que tinham consigo. 

PUBLICIDADE
Quanto às FP-25, continuaram a matar até 1987. A última vítima foi o inspetor da PJ Álvaro Militão, morto durante uma perseguição a três elementos da organização, em Lisboa. Na altura, a maior parte do grupo já tinha sido detida e condenada.

Siga o CM no Facebook.

  • Partilhe
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE