Barra Cofina

Correio da Manhã

Multimédia
2
Ambulâncias e carros de bombeiros estão expostos nas salas do museu e representam elementos reveladores da destruição dentro e fora daquelas que eram as maiores torres do mundo
As peças de roupa das vítimas do atentado foram expostas em cabides tal como foram encontradas
Do lado de fora do museu foram muitos os que não abdicaram de presenciar o momento
Os seis primeiros dias estão reservados às famílias das vítimas, sobreviventes, socorristas e moradores do sul de Manhattan
Barack Obama lembrou que se não fosse a valentia de muitos bombeiros o desfecho poderia ter sido ainda mais trágico
Foram gastos 500 milhões de euros para finalizar o projeto
O nome das vítimas está num painel interativo; para os que não foi possível identificar o museu reservou o lema 'Nenhum dia vos apagará da memória do tempo'
Coube ao presidente norte-americano um dos discursos mais emotivos da inauguração
Centenas de bombeiros e polícias fizeram questão de marcar presença na homenagem
Os que perderam a vida a tentar salvar os que naquela manhã já estavam a trabalhar nas Torres Gémeas são relembrados a cada passo
Michael Bloomberg, o presidente da câmara de Nova Iorque, guiou Obama pelas salas do museu que presta homenagem às vítimas do 11 de Setembro de 2001
O hino norte-americano foi entoado com emoção dentro e fora do museu
A tragédia que abalou os EUA em 2001 continua presente na memória e nos rostos de todo o mundo
Todos os objetos encontrados nos escombros do World Trade Center preenchem o interior do museu
O museu conta sete histórias das vítimas relacionadas com os seus objetos
O museu de sete andares e 10 mil metros quadrados está dividido em duas alas
O museu abre ao público no dia 25 de maio
Do World Trade Center restou apenas esta coluna que o museu fez questão de manter intacta
As fotografias e os pertences das cerca de 3000 pessoas que perderam a vida no atentado foi a forma encontrada para as homenagear e dignificar
Nenhum dos pertences das vítimas foi limpo ou retocado
Ambulâncias e carros de bombeiros estão expostos nas salas do museu e representam elementos reveladores da destruição dentro e fora daquelas que eram as maiores torres do mundo
As peças de roupa das vítimas do atentado foram expostas em cabides tal como foram encontradas
Do lado de fora do museu foram muitos os que não abdicaram de presenciar o momento
Os seis primeiros dias estão reservados às famílias das vítimas, sobreviventes, socorristas e moradores do sul de Manhattan
Barack Obama lembrou que se não fosse a valentia de muitos bombeiros o desfecho poderia ter sido ainda mais trágico
Foram gastos 500 milhões de euros para finalizar o projeto
O nome das vítimas está num painel interativo; para os que não foi possível identificar o museu reservou o lema 'Nenhum dia vos apagará da memória do tempo'
Coube ao presidente norte-americano um dos discursos mais emotivos da inauguração
Centenas de bombeiros e polícias fizeram questão de marcar presença na homenagem
Os que perderam a vida a tentar salvar os que naquela manhã já estavam a trabalhar nas Torres Gémeas são relembrados a cada passo
Michael Bloomberg, o presidente da câmara de Nova Iorque, guiou Obama pelas salas do museu que presta homenagem às vítimas do 11 de Setembro de 2001
O hino norte-americano foi entoado com emoção dentro e fora do museu
A tragédia que abalou os EUA em 2001 continua presente na memória e nos rostos de todo o mundo
Todos os objetos encontrados nos escombros do World Trade Center preenchem o interior do museu
O museu conta sete histórias das vítimas relacionadas com os seus objetos
O museu de sete andares e 10 mil metros quadrados está dividido em duas alas
O museu abre ao público no dia 25 de maio
Do World Trade Center restou apenas esta coluna que o museu fez questão de manter intacta
As fotografias e os pertences das cerca de 3000 pessoas que perderam a vida no atentado foi a forma encontrada para as homenagear e dignificar
Nenhum dos pertences das vítimas foi limpo ou retocado
Ambulâncias e carros de bombeiros estão expostos nas salas do museu e representam elementos reveladores da destruição dentro e fora daquelas que eram as maiores torres do mundo
As peças de roupa das vítimas do atentado foram expostas em cabides tal como foram encontradas
Do lado de fora do museu foram muitos os que não abdicaram de presenciar o momento
Os seis primeiros dias estão reservados às famílias das vítimas, sobreviventes, socorristas e moradores do sul de Manhattan
Barack Obama lembrou que se não fosse a valentia de muitos bombeiros o desfecho poderia ter sido ainda mais trágico
Foram gastos 500 milhões de euros para finalizar o projeto
O nome das vítimas está num painel interativo; para os que não foi possível identificar o museu reservou o lema 'Nenhum dia vos apagará da memória do tempo'
Coube ao presidente norte-americano um dos discursos mais emotivos da inauguração
Centenas de bombeiros e polícias fizeram questão de marcar presença na homenagem
Os que perderam a vida a tentar salvar os que naquela manhã já estavam a trabalhar nas Torres Gémeas são relembrados a cada passo
Michael Bloomberg, o presidente da câmara de Nova Iorque, guiou Obama pelas salas do museu que presta homenagem às vítimas do 11 de Setembro de 2001
O hino norte-americano foi entoado com emoção dentro e fora do museu
A tragédia que abalou os EUA em 2001 continua presente na memória e nos rostos de todo o mundo
Todos os objetos encontrados nos escombros do World Trade Center preenchem o interior do museu
O museu conta sete histórias das vítimas relacionadas com os seus objetos
O museu de sete andares e 10 mil metros quadrados está dividido em duas alas
O museu abre ao público no dia 25 de maio
Do World Trade Center restou apenas esta coluna que o museu fez questão de manter intacta
As fotografias e os pertences das cerca de 3000 pessoas que perderam a vida no atentado foi a forma encontrada para as homenagear e dignificar
Nenhum dos pertences das vítimas foi limpo ou retocado

Nova Iorque inaugura museu que não esquece vítimas do 11 de Setembro

Na última quinta-feira, Barack Obama inaugurou o espaço em Nova Iorque que não esquece as cerca de 3000 pessoas que morreram na sequência do maior ataque terrorista em território norte-americano, alegadamente da autoria da Al-Qaeda, em 2001. Veja as fotografias.

16 de Maio de 2014 às 14:36

Mais vistos