Barra Cofina

Correio da Manhã

Multimédia
5
Gravação do ‘Cantigas de Maio’
Zeca (dir.) com os irmãos
O poeta da música morreu há 25 anos
Em Grândola, com Otelo
O poeta da música morreu há 25 anos
No último concerto no Coliseu de Lisboa
Na casa de Azeitão
“Ele estava sempre rodeado de gente e crescer assim foi um privilégio” (Helena Afonso, filha)
O poeta da música morreu há 25 anos
Moçambique, 1982
“Lembro-me dele tirar caril do frigorífico e comer sem aquecer e da imensa alegria com que recebia em Azeitão” (João Afonso, músico)
O poeta da música morreu há 25 anos
O poeta da música morreu há 25 anos
“Apareceu com o ‘Cantar do Andarilho’. Era a coisa mais bonita que ouvira” (Arnaldo Trindade, editor do Orpheu)
Gravação do ‘Cantigas de Maio’
Zeca (dir.) com os irmãos
O poeta da música morreu há 25 anos
Em Grândola, com Otelo
O poeta da música morreu há 25 anos
No último concerto no Coliseu de Lisboa
Na casa de Azeitão
“Ele estava sempre rodeado de gente e crescer assim foi um privilégio” (Helena Afonso, filha)
O poeta da música morreu há 25 anos
Moçambique, 1982
“Lembro-me dele tirar caril do frigorífico e comer sem aquecer e da imensa alegria com que recebia em Azeitão” (João Afonso, músico)
O poeta da música morreu há 25 anos
O poeta da música morreu há 25 anos
“Apareceu com o ‘Cantar do Andarilho’. Era a coisa mais bonita que ouvira” (Arnaldo Trindade, editor do Orpheu)
Gravação do ‘Cantigas de Maio’
Zeca (dir.) com os irmãos
O poeta da música morreu há 25 anos
Em Grândola, com Otelo
O poeta da música morreu há 25 anos
No último concerto no Coliseu de Lisboa
Na casa de Azeitão
“Ele estava sempre rodeado de gente e crescer assim foi um privilégio” (Helena Afonso, filha)
O poeta da música morreu há 25 anos
Moçambique, 1982
“Lembro-me dele tirar caril do frigorífico e comer sem aquecer e da imensa alegria com que recebia em Azeitão” (João Afonso, músico)
O poeta da música morreu há 25 anos
O poeta da música morreu há 25 anos
“Apareceu com o ‘Cantar do Andarilho’. Era a coisa mais bonita que ouvira” (Arnaldo Trindade, editor do Orpheu)

O poeta da música morreu há 25 anos

José Afonso calou-se a 23 de Fevereiro de 1987. Dele permanece a música, a poesia e as memórias daqueles que o conheceram

17 de Fevereiro de 2012 às 17:00