Barra Cofina

Correio da Manhã

Multimédia
3
Desmantelamento de Calais
Migrante coloca a bandeira francesa na sua barraca
Letreiro à entrada da Selva que dava as boas-vindas e referia quantas pessoas ali moravam
Uma migrante e o seu filho, no terceiro dia do desmantelamento
Fila para os autocarros que levaram as pessoas para outros locais
Menores aguardam transporte. Estima-se que sejam mais de mil
O campo perto do porto de Calais, onde os migrantes estabeleceram acampamentos durante uma década, a maioria com os olhos postos no Reino Unido, é símbolo da crise migratória
Migrante abate o seu restaurante. Estima-se que 20 nacionalidades tenham coabitado no campo
Desmantelamento de Calais
Migrante coloca a bandeira francesa na sua barraca
Letreiro à entrada da Selva que dava as boas-vindas e referia quantas pessoas ali moravam
Uma migrante e o seu filho, no terceiro dia do desmantelamento
Fila para os autocarros que levaram as pessoas para outros locais
Menores aguardam transporte. Estima-se que sejam mais de mil
O campo perto do porto de Calais, onde os migrantes estabeleceram acampamentos durante uma década, a maioria com os olhos postos no Reino Unido, é símbolo da crise migratória
Migrante abate o seu restaurante. Estima-se que 20 nacionalidades tenham coabitado no campo
Desmantelamento de Calais
Migrante coloca a bandeira francesa na sua barraca
Letreiro à entrada da Selva que dava as boas-vindas e referia quantas pessoas ali moravam
Uma migrante e o seu filho, no terceiro dia do desmantelamento
Fila para os autocarros que levaram as pessoas para outros locais
Menores aguardam transporte. Estima-se que sejam mais de mil
O campo perto do porto de Calais, onde os migrantes estabeleceram acampamentos durante uma década, a maioria com os olhos postos no Reino Unido, é símbolo da crise migratória
Migrante abate o seu restaurante. Estima-se que 20 nacionalidades tenham coabitado no campo

A selva de Calais acabou

O primeiro autocarro com migrantes saiu segunda-feira do campo de Calais, conhecido como ‘a selva’. Cerca de oito mil pessoas que viviam no bairro de lata foram distribuídas por campos de refugiados em todo o território francês

30 de Outubro de 2016 às 16:37