Barra Cofina

Correio da Manhã

Multimédia
1
Bella Hadid e a irmã, Gigi, são possivelmente as irmãs mais famosas do mundo da moda. Apesar da muito jovens, esres ‘anjos’ da Victoria’s Secret mostram que acompanham a luta pela igualdade entre sexos.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Também Kylie Jenner, modelo e empresária meia-irmã de Kim Kardashian, aderiu ao ‘womanspreading’, até porque é uma das jovens com menos de 25 anos mais poderosas dos EUA.

O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Emily Ratajkowski, atriz e modelo, tem-se mostrado uma voz feminista cada vez mais presente. Emily foi uma das mulheres que denunciou casos de abuso sexual e, depois de ser vítima de piratas informáticos que divulgaram fotos suas nua, manifestou-se contra a invasão da vida privada das mulheres.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Elsa Hosk é um 'anjo' da Victoria's Secret que acompanha várias causas sociais, como a luta contra o bullying e contra os disturbios alimentares. É uma das amigas de Taylor Swift, grupo chamado 'Swift Squad', e também aderiu a esta luta feminista.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Apesar de ser uma das modelos mais desejadas do mundo, Chrissy Teigen nunca escondeu a pressão a que foi sujeita ao longo da carreira por parte dos homens que a dirigiam ou fotografavam. Em resposta, aderiu ao movimento do ‘womanspreading’.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
A polémica atriz Bella Thorne tem levantado várias bandeiras feministas. Desde o movimento pela ‘libertação’ do mamilo à luta contra o ideal da mulher ‘perfeita’, a atriz não se coíbe de se mostrar sem maquilhagem, despida, com a depilação por fazer. Foi uma das primeiras a manifestar-se contra o hábito dos homens de se sentarem com pernas abertas nos transportes públicos e, por isso, mostra que as mulheres são capazes de fazer o mesmo.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Kaia Gerber, filha da top model Cindy Crawford, cedo  se mostrou uma seguidora dos valores feministas e da luta pela igualdade entre sexos. A jovem aderiu ao ‘womanspreading’.

O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Emily Ratajkowski, atriz e modelo, tem-se mostrado uma voz feminista cada vez mais presente. Emily foi uma das mulheres que denunciou casos de abuso sexual e, depois de ser vítima de piratas informáticos que divulgaram fotos suas nua, manifestou-se contra a invasão da vida privada das mulheres.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Bella Hadid e a irmã, Gigi, são possivelmente as irmãs mais famosas do mundo da moda. Apesar da muito jovens, esres ‘anjos’ da Victoria’s Secret mostram que acompanham a luta pela igualdade entre sexos.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Também Kylie Jenner, modelo e empresária meia-irmã de Kim Kardashian, aderiu ao ‘womanspreading’, até porque é uma das jovens com menos de 25 anos mais poderosas dos EUA.

O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Emily Ratajkowski, atriz e modelo, tem-se mostrado uma voz feminista cada vez mais presente. Emily foi uma das mulheres que denunciou casos de abuso sexual e, depois de ser vítima de piratas informáticos que divulgaram fotos suas nua, manifestou-se contra a invasão da vida privada das mulheres.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Elsa Hosk é um 'anjo' da Victoria's Secret que acompanha várias causas sociais, como a luta contra o bullying e contra os disturbios alimentares. É uma das amigas de Taylor Swift, grupo chamado 'Swift Squad', e também aderiu a esta luta feminista.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Apesar de ser uma das modelos mais desejadas do mundo, Chrissy Teigen nunca escondeu a pressão a que foi sujeita ao longo da carreira por parte dos homens que a dirigiam ou fotografavam. Em resposta, aderiu ao movimento do ‘womanspreading’.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
A polémica atriz Bella Thorne tem levantado várias bandeiras feministas. Desde o movimento pela ‘libertação’ do mamilo à luta contra o ideal da mulher ‘perfeita’, a atriz não se coíbe de se mostrar sem maquilhagem, despida, com a depilação por fazer. Foi uma das primeiras a manifestar-se contra o hábito dos homens de se sentarem com pernas abertas nos transportes públicos e, por isso, mostra que as mulheres são capazes de fazer o mesmo.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Kaia Gerber, filha da top model Cindy Crawford, cedo  se mostrou uma seguidora dos valores feministas e da luta pela igualdade entre sexos. A jovem aderiu ao ‘womanspreading’.

O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Emily Ratajkowski, atriz e modelo, tem-se mostrado uma voz feminista cada vez mais presente. Emily foi uma das mulheres que denunciou casos de abuso sexual e, depois de ser vítima de piratas informáticos que divulgaram fotos suas nua, manifestou-se contra a invasão da vida privada das mulheres.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Bella Hadid e a irmã, Gigi, são possivelmente as irmãs mais famosas do mundo da moda. Apesar da muito jovens, esres ‘anjos’ da Victoria’s Secret mostram que acompanham a luta pela igualdade entre sexos.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Também Kylie Jenner, modelo e empresária meia-irmã de Kim Kardashian, aderiu ao ‘womanspreading’, até porque é uma das jovens com menos de 25 anos mais poderosas dos EUA.

O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Emily Ratajkowski, atriz e modelo, tem-se mostrado uma voz feminista cada vez mais presente. Emily foi uma das mulheres que denunciou casos de abuso sexual e, depois de ser vítima de piratas informáticos que divulgaram fotos suas nua, manifestou-se contra a invasão da vida privada das mulheres.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Elsa Hosk é um 'anjo' da Victoria's Secret que acompanha várias causas sociais, como a luta contra o bullying e contra os disturbios alimentares. É uma das amigas de Taylor Swift, grupo chamado 'Swift Squad', e também aderiu a esta luta feminista.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Apesar de ser uma das modelos mais desejadas do mundo, Chrissy Teigen nunca escondeu a pressão a que foi sujeita ao longo da carreira por parte dos homens que a dirigiam ou fotografavam. Em resposta, aderiu ao movimento do ‘womanspreading’.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
A polémica atriz Bella Thorne tem levantado várias bandeiras feministas. Desde o movimento pela ‘libertação’ do mamilo à luta contra o ideal da mulher ‘perfeita’, a atriz não se coíbe de se mostrar sem maquilhagem, despida, com a depilação por fazer. Foi uma das primeiras a manifestar-se contra o hábito dos homens de se sentarem com pernas abertas nos transportes públicos e, por isso, mostra que as mulheres são capazes de fazer o mesmo.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Kaia Gerber, filha da top model Cindy Crawford, cedo  se mostrou uma seguidora dos valores feministas e da luta pela igualdade entre sexos. A jovem aderiu ao ‘womanspreading’.

O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.
Emily Ratajkowski, atriz e modelo, tem-se mostrado uma voz feminista cada vez mais presente. Emily foi uma das mulheres que denunciou casos de abuso sexual e, depois de ser vítima de piratas informáticos que divulgaram fotos suas nua, manifestou-se contra a invasão da vida privada das mulheres.
O hábito masculino de ir nos transportes públicos com as pernas excessivamente abertas foi apelidado nos EUA de ‘manspreading’. Vozes femininas depressa se levantaram contra a prática e foi criado um movimento de resposta: o ‘womanspreading’.

A ideia é mostrar que as mulheres ocupam lugar igual ao dos homens (literalmente) ao mesmo tempo que mostra a rotura com a etiqueta, que diz que as senhoras não se devem sentar de pernas abertas. Já são milhares de fotografias com mulheres de pernas abertas, depois de várias figuras públicas terem ‘aderido’ ao movimento.

Mulheres de pernas abertas pelo feminismo

'Womanspreading' é o movimento em resposta ao hábito masculino que muitas vezes ocorre nos transportes públicos.

28 de Dezembro de 2017 às 20:42