Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Angola entre os três melhores destinos do mundo para investir em diamantes, diz diretor da Rio Tinto

Responsável da gigante da mineração espera iniciar trabalhos exploratórios relativos à concessão "Chiri" no início de 2022.
Lusa 26 de Novembro de 2021 às 09:19
Diamantes
Diamantes FOTO: Sérgio Lemos
O responsável da gigante da mineração Rio Tinto considera que Angola está entre os três melhores destinos a nível mundial para investir em diamantes e espera iniciar trabalhos exploratórios relativos à concessão "Chiri" no início de 2022.

Ken Tainton, diretor de exploração da Rio Tinto para Africa-Eurasia falava à Lusa em Saurimo, capital da Lunda Sul, uma das principais zonas de produção diamantífera em Angola, onde decorre desde quinta-feira a 1.ª conferência internacional de diamantes (AIDC, na sigla inglesa).

Questionado sobre se concordava com a visão do ministro angolano da tutela, Diamantino Azevedo, que defendeu na quinta-feira que Angola é atualmente um dos destinos mais atrativos para os investidores do setor dos diamantes, o responsável da Rio Tinto respondeu: "Está certamente no top 3".

"O facto de termos decidido investir aqui confirma, na nossa opinião, que Angola é um dos melhores destinos", reforçou.

No mês passado, em Lisboa, a multinacional anglo-australiana assinou um acordo com o Ministério dos Recursos Minerais, Petróleo e Gás e a diamantífera nacional, Endiama, para um contrato de investimento mineiro relativo à concessão de diamantes "Chiri" (Lunda Norte).

Ken Tainton disse à Lusa que há uma combinação de fatores que justificam o interesse dos investidores, entre os quais o facto de Angola ter uma indústria bem estabelecida e produzir diamantes há muito tempo, bem como o potencial de descobertas de novos depósitos, apesar de alguns desafios técnicos.

Quanto à concessão de "Chiri", trata-se, por enquanto, de um projeto de exploração.

"Ainda temos de fazer o trabalho para demonstrar que o projeto tem potencial económico e é isso que estamos a fazer. Vamos começar a fazer o trabalho exploratório nos próximos meses", indicou.

"Se houver potencial económico então vamos estabelecer quais os mecanismos que podemos usar para desenvolver esse potencial", prosseguiu, referindo que o programa de trabalho vai desenrolar-se por um período de cinco anos, antecedendo a decisão final de investimento.

Ken Tainton reiterou que a Rio Tinto tomou esta decisão porque acredita que o Governo angolano está a caminhar na direção certa e explicou que o trabalho no terreno vai analisar as questões de segurança, bem como a interação com as comunidades locais para que possam ter oportunidades em vez de consequências negativas.

"Esperamos poder fazer isso no início de 2022", afirmou.

O responsável da Rio Tinto disse que a empresa está sempre à procura de novos negócios, mas vai focar-se para já no novo projeto: "Por enquanto, queremos ter a certeza que conseguimos operar bem com os nossos parceiros e a melhor maneira de fazer isso é começar com um único projeto e a partir daí poderemos olhar para outras oportunidades".

 

Ver comentários