Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo

Diamantífera Endiama assina acordo com grupo britânico para projeto na Lunda Norte

Projeto implica investimento de mais de 120 milhões de euros.
Lusa 10 de Fevereiro de 2021 às 22:35
Diamantes - imagem ilustrativa
Diamantes - imagem ilustrativa FOTO: Getty Images
A companhia diamantífera estatal angolana Endiama e a Gemcorp, grupo de gestão de fundos de investimento sediado em Londres, anunciaram esta quarta-feira um acordo para o desenvolvimento de um projeto diamantífero na província da Lunda Norte.

O acordo, assinado em dezembro de 2020, prevê a criação, neste ano de 2021, de um "programa piloto de exploração mineira para garantir a rápida implementação do projeto, o início das operações e a exportação de diamantes" do depósito do Mulepe, na Lunda Norte, segundo uma nota conjunta hoje divulgada.

O depósito do Mulepe contém, segundo a mesma nota, "depósitos aluviais e kimberlitos significativos", pretendendo o projeto que visa dinamizar o seu potencial diamantífero criar postos de trabalho e de valor acrescentado para esta região angolana.

"Com este programa piloto pretende-se que ambos os parceiros conheçam detalhadamente as operações mineiras a desenvolver no local, o tipo e a qualidade dos diamantes existentes na concessão, a capacidade dos prestadores de serviços que já atuam na região, assim como a potencial arrecadação de receitas com a venda dos diamantes a extrair do Mulepe", acrescenta o documento.

Com um investimento de 150 milhões de dólares (124 milhões de euros ao câmbio atual), o projeto prevê que, em plena produção, seja possível processar aproximadamente três milhões de toneladas de kimberlitos por ano.

O financiamento ficará a cargo da Gemcorp, que o fará enquanto acionista maioritária, promotora e operadora, enquanto a Endiama, "que possui um conhecimento institucional relevante do local", irá trabalhar "para que esta parceria se desenvolva de forma atempada, economicamente rentável e segura".

A Gemcorp prevê empregar cerca de 140 trabalhadores, "maioritariamente provenientes da comunidade local" e que estarão dedicados à "gestão, operação e exploração mineira".

O presidente do conselho administrativo da Gemcorp, Atanas Bostandjiev, citado no comunicado, diz estar satisfeito pelo apoio a Angola "na retenção do valor total dos recursos naturais".

"Angola é um país com enorme potencial e esta parceria reforça a confiança que temos no futuro económico do país. A nossa capacidade e experiência no financiamento e no desenvolvimento de projetos, acompanhada da experiência na comercialização de bens na África Subsariana, significa que estamos bem posicionados para implementar e concluir esta nova aposta em Angola", referiu o dirigente do grupo.

Já o homólogo da Endiama, Ganga Júnior, elogiou a parceria, que "constitui mais um passo para o aumento da carteira de negócios do subsetor diamantífero angolano em toda a sua cadeia de valor".

"Temos grande gosto em trabalhar com a GEMCORP naquela que será a sua primeira atividade de exploração de diamantes no País, um exercício que contribuirá, decerto, para o desenvolvimento de Angola, e que representa um sinal forte de abertura do subsector ao investimento direto estrangeiro", sublinhou o responsável angolano.

O projeto Mulepe é o primeiro investimento da Gemcorp na exploração diamantífera na África Subsariana.

A Endiama contribuiu com 252 milhões e 328 milhões de dólares (207 milhões e 271 milhões de euros ao câmbio atual) para os cofres do Estado, em 2018 e 2019, respetivamente, esperando aumentar este valor para quase 1.400 milhões de dólares (1.155 milhões de euros) entre 2020 e 2022.

A empresa faturou 1.266 milhões de dólares (1.045 milhões de euros) em 2019 e estima receitas globais de 1.657, 1.877 e 2.208 milhões de dólares (1.367, 1.557 e 1.822 milhões de euros) em 2020, 2021 e 2022.

Ver comentários