Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

ExxonMobil disponibiliza 42 mil euros para assistência a deslocados de Cabo Delgado

Campanha visa sensibilizar sociedade sobre desafios enfrentados pelos deslocados devido à violência armada na província do norte de Moçambique.
Lusa 26 de Agosto de 2020 às 11:48
Violência armada em Cabo Delgado já levou à fuga de 250 mil pessoas
Violência armada em Cabo Delgado já levou à fuga de 250 mil pessoas FOTO: Direitos Reservados
A petrolífera norte-americana ExxonMobil vai disponibilizar 50 mil dólares (42 mil euros) para apoiar uma campanha de assistência às famílias deslocadas em Cabo Delgado devido à violência armada naquela província do norte de Moçambique.

A campanha, denominada "Coração Solidário-Cabo Delgado", é promovida pela plataforma Makobo e visa aumentar a sensibilização sobre os desafios enfrentados pelos deslocados, além de coordenar os esforços da sociedade civil em resposta a preocupações humanitárias resultantes dos ataques armados naquela província, refere uma nota distribuída à comunicação social.

"Temos o prazer de trabalhar com a Makobo e as autoridades locais para ajudar a população diretamente afetada pelo conflito", disse Jos Evens, diretor geral da ExxonMobil Moçambique, citado na nota.

O apoio da ExxonMobil vai centrar-se na instalação de duas "cozinhas satélites", capazes de distribuir até 20.000 refeições por dia, acrescenta a nota.

"Este apoio representa a expressão máxima do valor da humanidade. É uma grande honra e privilégio poder contar com o apoio da ExxonMobil para criar alternativas para uma resposta imediata e eficaz às necessidades dos nossos irmãos e irmãs em Cabo Delgado", disse Ruy Santos, coordenador do Projeto Makobo.

A ExxonMobil lidera com a italiana Eni o consórcio de exploração de gás natural da Área 4 da bacia do Rovuma, ao largo da costa de Cabo Delgado. A portuguesa Galp, a KOGAS (Coreia do Sul) e a Empresa Nacional de Hidrocarbonetos (Moçambique) detêm cada uma participações de 10%.

No início do mês de abril, a ExxonMobil anunciou oficialmente o adiamento, sem prazo, da decisão final de investimento para o seu megaprojeto de gás natural na área.

O adiamento deve-se a um corte em 2020 nas despesas de capital em 30% e nas despesas operacionais em 15% devido à queda dos preços do petróleo e derivados, provocada pelo excesso de oferta e baixa procura em consequência da pandemia de Covid-19.

A violência armada em Cabo Delgado já causou a morte de, pelo menos, 1.059 pessoas em quase três anos, além da destruição de várias infraestrutura e levou. de acordo com as Nações Unidas, à fuga de 250.000 pessoas de distritos afetados pela insegurança, mais a norte da província

A capital provincial, Pemba, tem sido o principal refúgio para as pessoas que procuram abrigo e segurança em Cabo Delgado, mas há quem prefira fugir para outros distritos e até províncias da região, com destaque para Nampula.
ExxonMobil Moçambique Cabo Delgado Moçambique Makobo
Ver comentários