Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Governo do Ruanda desvaloriza tiroteio na fronteira com a RDCongo

Tensões entre Ruanda a RDCongo são antigas, mas acentuaram-se nos últimos meses,
Lusa 18 de Junho de 2022 às 11:51
Acampamento
Acampamento FOTO: Getty Images
O Governo do Ruanda desvalorizou o tiroteio protagonizado na sexta-feira por um soldado da República Democrática do Congo na fronteira comum, descrevendo-o como um "incidente" que não pode interferir nas negociações para resolver a crise diplomática.

Um soldado da República Democrática do Congo (RDCongo) morreu na sexta-feira num tiroteio num posto fronteiriço com o Ruanda, num contexto de crescentes tensões ao longo das últimas semanas, devido aos últimos combates entre o exército de Kinshasa e o grupo rebelde Movimento 23 de março (M23).

As tensões entre o Ruanda, que tem uma das mais eficazes forças armadas de África, e a RDCongo, um dos maiores e mais problemáticos países do continente, são antigas, mas acentuaram-se nos últimos meses, com Kinshasa a acusar Kigali de apoiar os rebeldes do M23, desde novembro acusado de realizar ataques contra posições do Exército da RDCongo no Kivu do Norte.

O soldado, armado com uma AK47, atravessou o posto fronteiriço 'Petite Barrière', no distrito de Rubavu, e abriu fogo contra os seguranças ruandeses e civis na fronteira, ferindo dois polícias ruandeses.

As relações entre a RDCongo e o Ruanda vivem momentos de crise desde a chegada em massa ao leste da RDCongo de hutus ruandeses acusados de terem massacrado os tutsis durante o genocídio do Ruanda de 1994.

Após um período de alguma acalmia diplomática, o conflito voltou a intensificar-se no final do mês passado, quando o Governo de Kinshasa convocou o embaixador ruandês para denunciar o suposto apoio do país ao M23.

"Consideramos isto apenas como um incidente. Foi aberta uma investigação por parte do mecanismo de verificação conjunta e o nosso Ministério dos Negócios Estrangeiros já discutiu esta questão com os seus homólogos congoleses", disse a porta-voz do Governo do Ruanda, Yolande Makolo, em declarações ao 'New Times'.

A porta-voz também saudou os apelos do Governo da RDCongo para combater a estigmatização dos ruandeses no país e garantiu que, como membro da Comunidade de Estados da África Oriental, o Ruanda está pronto a desempenhar um papel na força regional convocada pelo Presidente do Quénia, Uhuru Kenyatta, para restaurar a paz no leste da RDCongo.

Angola tem procurado mediar a tensão entre Ruanda e RDCongo, no âmbito de um mandato atribuído a Luanda pela União Africana na recente cimeira realizada em Malabo.

Em 31 de maio, o Presidente angolano, João Lourenço, abordou com o Presidente Tshisekhedi "questões relativas à crescente tensão" entre a RDCongo e o Ruanda, tendo discutido "vários aspetos que podem contribuir para a resolução pacífica do diferendo entre os dois países".

Na terça-feira, o líder angolano transmitiu ao secretário-geral da ONU, António Guterres, preocupação com a situação na relação entre aqueles dois países, "o que justifica a realização, com urgência, da Cimeira de Luanda, entre o mediador Angola" e os respetivos chefes de Estado.

Ver comentários
}