Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Idoso encontrado decapitado em Cabo Delgado

Corpo da vítima foi encontrado por moradores locais, que suspeitam que o crime foi cometido pelos rebeldes.
Lusa 8 de Agosto de 2022 às 11:10
Polícia de Moçambique
Polícia de Moçambique FOTO: Getty Images
Um grupo desconhecido decapitou um idoso na localidade de Mapate, interior do distrito de Muidumbe, na província de Cabo Delgado, disseram esta segunda-feira à Lusa fontes locais.

O corpo da vítima foi encontrado na quarta-feira pelos moradores locais, que suspeitam que o crime foi cometido pelos rebeldes que aterrorizam a província de Cabo Delgado desde 2017, explicou à Lusa um morador da localidade de Mapate, a pouco de 50 quilómetros da sede do distrito de Muidumbe.

"Ele vivia sozinho e também quase ninguém estava na vizinhança porque muitas pessoas abandonaram o local com receio dos últimos ataques que registamos", explicou o residente.

Uma fonte da força local disse à Lusa que as análises preliminares indicam que a vítima foi decapitada pelos rebeldes, notando que, há quase um mês, os grupos que aterrorizam a província mataram uma pessoa naquela região.

"Quero acreditar que é mais uma ação terrorista, há um mês mataram uma pessoa aqui em um ataque e, em resposta, nós conseguimos matar dois dos insurgentes", afirmou a fonte da força local, antigos combatentes da luta de libertação que apoiam as forças governamentais no combate contra a insurgência em Cabo Delgado.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

Há 784 mil deslocados internos devido ao conflito, de acordo com a Organização Internacional das Migrações (OIM), e cerca de 4.000 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED.

Desde julho de 2021, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu recuperar zonas onde havia presença de rebeldes, mas a fuga destes tem provocado novos ataques noutros distritos usados como passagem ou refúgio temporário.

Ver comentários