Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Inquérito aponta culpa humana em choque entre barcos cabo-verdianos que fez um morto

Acidente ocorreu na madrugada de sete de fevereiro e provocou a morte de um tripulante, de 33 anos.
Lusa 2 de Agosto de 2022 às 17:42
Ilha de São Vicente, em Cabo Verde
Ilha de São Vicente, em Cabo Verde FOTO: Getty Images
O Instituto de Prevenção e Investigação de Acidentes Aeronáuticos e Marítimas (IPIAAM) cabo-verdiano concluiu pela responsabilidade humana no choque entre duas embarcações de pesca, no Canal de São Vicente, que provocou a morte de um tripulante em fevereiro.

"Concluiu-se que o não estabelecimento dos faróis de navegação, o comando da manobra por parte de um tripulante sem nenhum tipo de formação em navegação e o não acompanhamento da situação da navegação por parte do mestre da embarcação, com recurso aos panoramas radar e visual, foram fatores determinantes que contribuíram para o acidente", lê-se num comunicado do IPIAAM, divulgado esta terça-feira.

O acidente ocorreu na madrugada de sete de fevereiro e envolveu as embarcações de pesca "Ponta de Peça" e "Djesone", que embateram no canal de navegação entre as ilhas de São Vicente e de Santo Antão, no norte do arquipélago, provocando a morte de um tripulante, de 33 anos.

As duas embarcações têm porto na ilha de Santo Antão, tendo o acidente resultado em "consideráveis danos materiais e uma vítima mortal, pescador a bordo da embarcação 'Djesone', sendo por esse motivo classificado como um acidente muito grave e, consequentemente, de investigação obrigatória por parte da autoridade de investigação nacional", recorda o instituto.

"Na sequência, o IPIAAM emitiu recomendações de segurança às instituições com responsabilidades na matéria, com a finalidade de assegurar o cumprimento dos procedimentos, prevenir a ocorrência de acidentes no setor das pescas e em última instância, promover a segurança operacional, contando para o efeito com a participação e envolvimento de todos os 'stakeholders'", acrescenta a nota sobre as conclusões da investigação.

Ver comentários