Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
6

Não vale a pena Cabo Verde ser membro da CPLP se não consegue exportar para a comunidade

Jorge Spencer Lima considerou que a questão de circulação é "fundamental" para que a comunidade lusófona se consolide.
15 de Maio de 2019 às 10:43
Bandeira de Cabo Verde
Cabo Verde conseguiu a independência a 5 de julho de 1975
Cabo Verde
Bandeira de Cabo Verde
Cabo Verde conseguiu a independência a 5 de julho de 1975
Cabo Verde
Bandeira de Cabo Verde
Cabo Verde conseguiu a independência a 5 de julho de 1975
Cabo Verde
O presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS) cabo-verdiano considerou esta terça-feira que "não vale a pena" Cabo Verde ser membro da CPLP se os empresários não conseguem exportar para os outros países da comunidade lusófona.

"É preciso que as pessoas entendem uma coisa: da mesma razão que eu digo, se não conseguirmos exportar para a CEDEAO [Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental] não vale a pena ser membro da CEDEAO, essa razão é válida para a CPLP [Comunidade dos Países de Língua Portuguesa]. Não precisamos de uma comunidade só para discutir política, isso não é preciso, isso faz-se bilateralmente", considerou Jorge Spencer Lima.

O líder dos empresários da região cabo-verdiana de Sotavento - que representa as ilhas do Maio, Santiago, Fogo e Brava - falava à imprensa, na cidade da Praia, à saída de uma reunião do Conselho de Concertação Social, formado pelo Governo, patronato e sindicatos.

Spencer Lima voltou a tomar a posição, um mês após ter insurgido contra o que considerou uma "recusa continuada" da emissão de vistos a empresários pelo Centro Comum de Vistos (CCV), na cidade da Praia, que é gerido por Portugal e que representa 17 países da União Europeia.

Na altura, a direção da Câmara de Comércio de Sotavento decidiu interromper qualquer missão empresarial a Portugal e encorajar os seus associados a procurarem outros parceiros e fornecedores além de Portugal, até que a situação seja resolvida.

Na segunda-feira, foi a vez da Câmara de Comércio do Barlavento (CCB) alertar também que "não está fácil" organizar deslocações de empresários de Cabo Verde ao exterior, por dificuldades na obtenção de vistos.

O diretor do Gabinete de Promoção Empresarial da agremiação empresarial, José Lopes, pediu, por isso, "sensibilidade maior e alguma flexibilidade" ao CCV, enfatizando que, "se as coisas continuarem como estão" as possibilidades de organização de missões empresariais tornam-se "cada vez mais difíceis" e "por vezes impraticável".

Jorge Spencer Lima considerou que a questão de circulação é "fundamental" para que a comunidade lusófona se consolide.

Notando que há países que já são beneficiados por causa da sua maior capacidade de produção e por terem uma indústria mais desenvolvida, o líder empresarial afirmou, por outro lado, que são esses mesmos países que levantam dificuldades a essa circulação.

"Não pode ser assim, cada um tem de assumir as suas responsabilidades. O nosso grito de alerta é nesse sentido de dizer que deixem as coisas funcionar normalmente, até porque são os principais ganhadores quando os empresários se desloquem aos países", entendeu.

O presidente da CCISS considerou também que "não faz sentido" os países quererem que as suas empresas penetrem nos mercados da CEDEAO e depois não deixem os empresários viajar para os seus países.

"Há que encontrar uma solução, parece que a solução pode estar à vista, mas há muitos anos que estamos a ouvir essa história de solução à vista. A CPLP não existe hoje, há muito tempo que a CPLP existe e basta de impor empecilhos à circulação de empresários", continuou.

"A força da CPLP não são só os políticos, são as empresas também, o desenvolvimento económico e os benefícios para os países e é isso que tem conduzido a força da CPLP", terminou Jorge Spencer Lima.

Na altura do alerta da CCISS, o ministro dos Negócios Estrangeiros português, Augusto Santos Silva, pediu que não se generalizem casos particulares e "pontualíssimos" de não atribuição de vistos.

A facilitação da mobilidade no espaço da CPLP é uma proposta de Portugal e Cabo Verde - que atualmente detém a presidência rotativa da organização -, embora não haja um calendário para a entrada em vigor de medidas nesse sentido.
Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)