Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
3

Oito arguidos acusados pelo assassinato de observador eleitoral em Moçambique

Homicídio de Anastácio Matavele provocou repúdio e condenação dentro e fora do país africano.
Lusa 15 de Novembro de 2019 às 17:59
Justiça
Justiça FOTO: Getty Images
A Procuradoria da província de Gaza, Sul de Moçambique, acusou oito arguidos pela morte do observador eleitoral Anastácio Matavele, no dia 07 de outubro deste ano, anunciou esta sexta-feira em comunicado a Procuradoria-Geral da República (PGR).

Na nota, a PGR refere que quatro dos acusados encontram-se detidos e outros quatro estão em liberdade.

A entidade não indica se entre os acusados estão os três polícias já detidos por alegada participação no homicídio, mas fonte judicial assegurou à Lusa que "a maioria dos acusados são agentes da polícia".

De acordo com o comunicado da Procuradoria-Geral da República, a acusação imputa às oito pessoas os crimes de homicídio qualificado, dano culposo e falsificação praticada por servidor público no exercício das suas funções.

Anastácio Matavele, editor executivo do Fórum de Organizações Não-Governamentais de Gaza (Fonga) e representante da Sala da Paz, uma plataforma de observação eleitoral, foi morto a tiro por um grupo de quatro polícias do Grupo de Operações Especiais (GOE) e um civil, quando saía de uma ação de formação de observadores eleitorais, na cidade de Xai-Xai.

Apesar de a PGR não referir no comunicado que divulgou hoje, o comando-geral da Polícia da República de Moçambique (PRM) disse na semana passada que o comandante do GOE da PRM na província de Gaza, Tudelo Guirrugo, encontra-se detido, no âmbito da investigação ao assassinato de Anastácio Matavele.

Dois dos agentes da polícia envolvidos no crime morreram, quando a viatura em que seguiam capotou, outros dois foram detidos no local, após ficarem feridos no acidente.

Um civil implicado na morte encontra-se a monte.

O homicídio de Anastácio Matavele provocou repúdio e condenação em Moçambique e fora do país, por se tratar de um ativista da sociedade civil envolvido na observação eleitoral e que morreu durante a campanha para as eleições gerais de 15 de outubro, numa província conhecida pela intolerância política contra opositores da Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo), partido no poder.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)