Barra Medialivre

Correio da Manhã

Mundo
7
Siga o CM no WhatsApp e acompanhe as principais notícias da atualidade Seguir

Polícia moçambicana detém 10 suspeitos de assassinarem moto taxistas

"Eles ameaçavam as vítimas e roubavam as suas motorizadas, havendo casos em que o assalto culminou com morte", referiu o porta-voz da autoridade.
Lusa 22 de Setembro de 2023 às 11:36
Polícia moçambicana
Polícia moçambicana FOTO: Simon Wohlfahrt

A polícia moçambicana deteve 10 suspeitos de roubo e assassínio de moto taxistas na província de Tete, no centro de Moçambique, disse esta sexta-feira à Lusa fonte da corporação.

Os homens foram detidos entre terça-feira e quarta-feira, na posse de sete motorizadas. Dos 10 suspeitos, três "protagonizavam os assaltos e os restantes sete eram, [entre outros], intermediários na venda das motos", disse Feliciano da Câmara, porta-voz da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Tete.

"Eles ameaçavam as vítimas e roubavam as suas motorizadas, havendo casos em que o assalto culminou com morte", referiu o porta-voz, acrescentando que alguns dos homens detidos terão matado duas pessoas nos bairros Matundo e Chingodzi, naquela província. 

A reação da polícia surge depois de a Resistência Nacional Moçambicana (Renamo) anunciar, na quarta-feira, a morte do antigo presidente da Liga da Juventude do partido no bairro Matundo, em Tete, após um assalto no sábado.

Segundo a Renamo, um grupo de desconhecidos roubou a motorizada e dinheiro de Salifo Selemane, cujo corpo foi encontrado com sinais de violência.

A polícia moçambicana avançou que as duas pessoas assassinadas, uma das quais em Matundo, também apresentavam sinais de violência e as suas motorizadas estão entre as que foram apreendidas com os 10 suspeitos detidos.

O porta-voz da Renamo em Tete, Nuno Zacarias, referiu a possibilidade de o homicídio estar ligado a causas políticas, mas deixou à polícia o esclarecimento do caso.

A vítima, Salifo Selemane, foi presidente da Liga da Juventude da Renamo a nível do bairro Matundo em 2018.

Moçambique crime lei e justiça
Ver comentários
C-Studio