Barra Cofina

Correio da Manhã

Mundo
7

Presidente de Cabo Verde diz que revolta associou morte de jovem em Bragança a racismo

Contornos da morte de Luís Giovani causaram uma "reação forte e apimentada" no seio da população cabo-verdiana.
Lusa 17 de Janeiro de 2020 às 19:37
Presidente de Cabo Verde em Portugal, Jorge Carlos Fonseca
Luís Rodrigues
Luís Giovani Rodrigues foi violentamente agredido no centro de Bragança e morreu vítima de um traumatismo craniano
Presidente de Cabo Verde em Portugal, Jorge Carlos Fonseca
Luís Rodrigues
Luís Giovani Rodrigues foi violentamente agredido no centro de Bragança e morreu vítima de um traumatismo craniano
Presidente de Cabo Verde em Portugal, Jorge Carlos Fonseca
Luís Rodrigues
Luís Giovani Rodrigues foi violentamente agredido no centro de Bragança e morreu vítima de um traumatismo craniano
O Presidente de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, afirmou esta sexta-feira que a "revolta" e o "choque terrível" provocados pelo assassínio do estudante Giovani Rodrigues em Bragança levaram alguns setores da população cabo-verdiana a associarem o homicídio ao racismo.

"É natural que as circunstâncias em que se deu a morte provoquem uma emotividade forte, generalizada e, digamos, uma onda de choque, foi uma espécie de choque terrível, brutal, muita emotividade social, e portanto, isso gera sentimentos de dor, de consternação, mas também de revolta", declarou Jorge Carlos Fonseca, em entrevista à agência Lusa em Maputo.

O chefe de Estado cabo-verdiano assinalou que os contornos da morte de Luís Giovani Rodrigues causaram uma "reação forte e apimentada" no seio da população cabo-verdiana.

A animosidade gerada pelo homicídio "aconteceria, se as circunstâncias tivessem envolvido um moçambicano ou um português, ou um brasileiro", considerou.

"Mas o fundamental é que este evento seja devidamente investigado, que as investigações corram o seu curso normal e que afinal as instituições judiciais portuguesas, no processo adequado, de acordo com a legislação vigente em Portugal, façam a justiça devida a este caso", frisou Jorge Carlos Fonseca.

A Polícia Judiciária (PJ) portuguesa deteve cinco suspeitos da morte do estudante cabo-verdiano, que chegaram cerca das 15:15 de hoje ao Tribunal de Bragança para interrogatório judicial e aplicação das medidas de coação.

Os suspeitos são de Bragança e foram detidos, na quinta-feira, tendo sido levados para as instalações da PJ em Vila Real.

A PJ transportou os detidos ao início da tarde novamente para Bragança, depois de uma conferência de imprensa em que prestou esclarecimentos sobre as agressões ocorridas em 21 de dezembro, à porta de um estabelecimento de diversão noturna, que levaram à morte do estudante em 31 de dezembro, num hospital do Porto.

Os cinco detidos pelo envolvimento na morte do estudante cabo-verdiano, de 21 anos, estão indiciados por um crime de homicídio qualificado e três de tentativa de homicídio.

Ver comentários
Newsletter Diária Resumo das principais notícias do dia, de Portugal e do Mundo. (Enviada diariamente, às 9h e às 18h)